Imagine, de John Lennon, nos olhos (e ouvidos) de Melissa

Melissa McCracken é uma pintora de 28 anos de idade que a vida todo viveu com sinestesia, uma condição que faz com que respostas cerebrais a estímulos se “cruzem”, fazendo com que um sentido possa afetar o outro. Para ela, isso se manifesta em sua audição e sua visão, e é como se ela “enxergasse” música.

Ela explica que essa sinestesia, chamada de cromestesia, não afeta a visão dela em si. “Sinestesia não interfere a minha visão e não é como um alucinógeno”, Melissa conta. “A imagem fica ali ‘flutuando’, como quando você imagina algo ou visualiza uma memória. Não preciso fechar meus olhos, mas vejo melhor se o fizer.”

A pintora sabe que cada artista experiencia as músicas de uma forma diferente, e que suas pinturas expressam o que ela sente especificamente. “Eu conheci outro pintor com sinestesia e, para comparar, ambos pintamos ‘Little Wings’, do Jimi Hendrix. Nossas obras finais era totalmente diferentes, provando o quão subjetivo é.”

Melissa também explicou que o que faz a arte são todos os elementos da música, e que ela pode ver coisas diferentes dependendo em que aspecto da música ela foca – se é o baixo, a guitarra, ou o vocal, por exemplo.

Ela prefere pintar músicas com as quais se identifica, e já recusou algumas pinturas por isso. “Eu quero me manter fiel a quem eu sou como artista, então se uma música não me atrai visualmente ou não me toca pessoalmente, eu educadamente digo não. As pessoa geralmente entendem e não me forçam. Por outro lado, já conheci bandas novas que gostei por causa de sugestões!”

Aprecie algumas das pinturas de Melissa McCracken:

Fechar X
Fechar X
Sem mais artigos