Erin Einbender quis mudar a percepção que as pessoas tem dos Cones da Vergonha e transformá-los em Cones da Fama. O projeto fotográfico começou quando Einbender começou um trabalho voluntário no abrigo para animais One Tail at Time, em Chicago, nos Estados Unidos, há oito meses

Reprodução/Instagram

O cone da vergonha, como ficou popularmente conhecido o colar Elizabetano, é oficialmente o acessório que os cachorros mais odeiam. Afinal, ele os impede de lamber, morder, cheirar, bisbilhotar e todas as outras atividades cães amam. Infelizmente, é um mal necessário. Afinal, apesar de fazer seu animal de estimação parecer um abajur, ele também permite que eles se curem sem perigos de cirurgias e outros problemas de saúde mais rapidamente.

E foi aí que Erin Einbender quis mudar a percepção que as pessoas tem desses colares e transformá-los em Cones da Fama. O projeto fotográfico começou quando Einbender começou um trabalho voluntário no abrigo para animais One Tail at Time, em Chicago, nos Estados Unidos, há oito meses.

Erin Einbender quis mudar a percepção que as pessoas tem dos Cones da Vergonha e transformá-los em Cones da Fama. O projeto fotográfico começou quando Einbender começou um trabalho voluntário no abrigo para animais One Tail at Time, em Chicago, nos Estados Unidos, há oito meses

Reprodução/Instagram

“Notei que eu podia usar meu conhecimento em fotografia e redes sociais para ajudar os cachorros a encontrarem lares permanentes. Fiz um brainstorming de ideias para meu projeto final na faculdade e a ideia do Cones da Fama surgiu”, contou para revista People.

Ela já tinha tirado diversas fotos dos cachorros resgatados que não usavam cone, mas sua atenção acabou naqueles que tinham o colar horrível e estavam infelizes com isso. “Eles ficavam tão tristes. Quis que os cones começassem a representar algo positivo e a ideia surgiu”, finalizou.

Confira algumas fotos do projeto Cones da Fama:

Fechar X
Fechar X
Sem mais artigos