O MOBA, em Boston, existe apenas para celebrar o que há de pior na arte: quadros e peças horríveis. Faz parte, né?

Divulgação O MOBA, em Boston, existe apenas para celebrar o que há de pior na arte: quadros e peças horríveis. Faz parte, né?

Tem gente que adora visitar museus e exposições pelo simples prazer de reforçar, ainda que para si mesmo, como seria capaz de ser “mais artista” que os artistas ali expostos. Bem, no MOBA (Museum of Bad Art), um museu dedicado exclusivamente a obras feias, isso talvez seja verdade.

Localizado em Massachusetts, nos Estados Unidos, o MOBA é pioneiro nessa conversa de arte ruim e sem sentido. Todo mundo merece um pouco de admiração e desconto, mesmo os quadros mais feios do mundo.

Hoje, o museu conta com 3 galerias e um acervo de mais de 600 peças e obras feias, expostas regularmente.

“Nós somos a primeira autoridade em arte ruim. É como pornografia, que é difícil de explicar, mas que todos reconhecem logo de cara. O mesmo raciocínio vale para a arte ruim. Você olha e se pergunta: ‘como assim?”, explicou a porta-voz do MOBA em entrevista à rede CBS.

Por mais incrível que pareça, uma obra feia precisa passar por um rigoroso processo de seleção antes de se destacar nas galerias do museu. Tá achando que é fácil ser feio? Os curadores do MOBA reforçam que não têm interesse em falsificações ou quadros sem graça. O grotesco, por outro lado, é garantia de sucesso.

Veja um pedacinho do acervo na galeria abaixo:

Fechar X
Sem mais artigos