Artistas lembraram nas redes sociais que esta quarta-feira (20) é dia de luta, orgulho e resistência.

Em 20 de Novembro, aniversário de morte de Zumbi dos Palmares, é celebrado o Dia da Consciência Negra, uma data para celebrar a história, legado e cultura da população negra. Não só isso, é dia de refletir sobre a história escravocrata do Brasil, o último país das Américas a abolir a escravidão, em 1888, e onde a população negra é a principal vítima de homicídio –  são 98,5 assassinatos de jovens negros e pardos a cada 100 mil habitantes entre 15 e 29 anos, enquanto que a taxa para brancos é de 34.

“Não basta não ser racista, é preciso ser antirracista”, reforçou a atriz Juliana Alves.

Confira outros artistas que se posicionaram e homenagearam o Dia da Consciência Negra:

 

Ver essa foto no Instagram

 

O samba tem sua origem diretamente ligada aos ritmos africanos trazidos ao Brasil pelos negros e negras escravizados. Entre os precursores desse movimento musical está Tia Ciata que, mesmo com a repressão policial da época, abria as portas de seu terreiro para os bambas do final do século XIX e início do século XX. Depois dela, que é nossa homenageada do dia, vieram centenas de cantores e compositores negros: Donga, João da Baiana, Paulo da Portela, Cartola, Nelson Cavaquinho, Dona Ivone Lara, Silas de Oliveira, Manaceia, Clementina de Jesus, Candeia, Jovelina Pérola Negra, Jamelão, @nelsonsargentooficial, @martinhodavilaoficial, @paulinhodaviola, Roberto Ribeiro, Almir Guineto, Bira Presidente, @elzasoaresoficial, @alcioneamarrom, @arlindocruzobem, @lecibrandao, @jorgearagaodacruz, @teresacristinaoficial, @seujorge, @emicida, @xandedepilares e taaaaantos outros. O Dia Nacional da Consciência Negra existe para que a gente lembre da importância do legado cultural deixado por pessoas como Tia Ciata, e para que a gente reforce que no Brasil do século XXI não pode haver espaço para racismo! #EquipeZecaPagodinho

Uma publicação compartilhada por Zeca Pagodinho (@zecapagodinho) em

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Jorge Aragão (@jorgearagaodacruz) em

 

Ver essa foto no Instagram

 

Feliz dia da consciência negra, orgulho de ser negra, da favela, mãe solo, hoje estou muito orgulhosa de mim, porque depois de tudo que eu passei eu não desisti, e mesmo com todo esse preconceito que se instala no meu país, eu ainda tenho esperanca que isso irá mudar e que todo esse racismo aqui presente no Brasil acabe e que vivemos felizes para sempre! Quero agradecer todas as pessoas que sempre estão do meu lado, me fazendo cada vez mais correr atrás dos meu sonhos e que sempre me ensinando a ser melhor a cada dia, hoje se soma mais um pedaço da história que eu comecei a escrever, grata por tudo obrigada Deus !!!! Não é fácil ser eu, não é fácil ser NEGRA ! #acarnemaisbaratadomercadoéacarnenegra #consiencianegra

Uma publicação compartilhada por (@mcrebecca) em

 

Ver essa foto no Instagram

 

Dia 20 de novembro, dia da Consciência Negra

Uma publicação compartilhada por Martinho da Vila (@martinhodavilaoficial) em

 

Ver essa foto no Instagram

 

20 de novembro, pretxs estão protagonizando suas vidas e se AMANDO… #ubuntu #serendipidade #blackservice #coisadepreto

Uma publicação compartilhada por David Junior (@davidjunior) em

 

Ver essa foto no Instagram

 

#diadaconciencianegra #vivazumbi

Uma publicação compartilhada por André Ramiro (@aramiro_oficial) em

 

Ver essa foto no Instagram

 

Esse vídeo fez passar um filme pela minha cabeça. A chegada dos meus filhos balançou muitas percepções e trouxe novas questões sobre igualdade que são muito importantes e que jamais haviam sido provocadas em mim. Precisei ler muito, estudar, escutar novas pessoas, conversar com muita gente para compreender que estrutura terrível é essa que trata seres humanos como algo inferior devido unicamente à sua cor de pele. Foi quando percebi o óbvio, que coisas básicas do meu cotidiano “não foram feitas” para os meus filhos. Coisas banais como publicidades, brinquedos, xampus e maquiagens simplesmente não contemplavam a existência da minha filha e, posteriormente, do meu filho. Foi aí que entendi a URGÊNCIA e a NECESSIDADE de ir além, de ser sim ANTIRRACISTA, de buscar espelhos positivos para os meus filhos TODOS OS DIAS! Eu não sei o que é sofrer o racismo na pele. Mas sei o que é ser mãe de crianças negras. E essa dor me atravessa de muitas formas. Dói muito. É violento, angustiante, gera revolta! E essa revolta me dá forças pra lutar… lutar contra uma estrutura secular e que já passou da hora de mudar! Chegou a hora da REVOLUÇÃO! Apesar de todo racismo, percebo que estamos evoluindo. Vejo, ainda que de forma tímida, nomes negros ocupando capas de revista, pensadoras negras publicando seus livros e um novo mercado que estimula a autoestima da população negra. E, a cada movimento desses, sinto que estamos no caminho certo. E por isso é TÃO IMPORTANTE que o branco reconheça seu PRIVILÉGIO! É tempo de abrir espaços e exaltar TODA FORÇA, BELEZA E HISTÓRIA DO POVO NEGRO! É um trabalho importante, é preciso se importar, aprender, MUDAR. Quero que todo dia a gente consiga pensar nessas questões, transformar todo dia no dia da consciência negra. É urgente. É necessário. É agora! ✊✊✊#TodoDiaÉDiaDaConscienciaNegra

Uma publicação compartilhada por Giovanna Ewbank (@gio_ewbank) em

Fechar X
Sem mais artigos