“É um dia muito triste para a comunidade de Ijara e para todo o Quênia”, diz Mohammed Ahmednoor, gerente de Conservação da reserva ambiental de Ishaqbini Hirola. A tristeza e a angústia são explicadas pela morte da última girafa fêmea branca do país.

 

 

O animal foi assassinado na última semana por caçadores na reserva junto com o seu filhote, de apenas sete meses de idade. A confirmação foi feita pelos guardas do local ao jornal britânico Daily Star.

 

Ahmednoor explicou que a morte dos animais choca toda a comunidade que vinha tentando aumentar as normas para preservação das espécies ameaçadas, tanto na reserva quanto no resto do Quênia.

 

“A sua morte [da girafa branca] é um verdadeiro golpe nas medidas tomadas pela comunidade para conservar espécies raras e únicas e um alerta para o apoio contínuo aos esforços de conservação”.

 

Ainda de acordo com ambientalistas e os guardas da reserva, a perda da girafa fêmea e de seu filhote não será sentida apenas do ponto de vista científico, mas prejudicará muito o turismo na região.

Fechar X
Sem mais artigos