autista-balé-Philip-Martin-Nielson-3

 

O jovem Philip Martin-Nielson, de Nova York, tem uma forma de autismo severo desde que nasceu e não conseguia conversar com as pessoas e nem ter qualquer tipo de contato físico. Mas aos 6 anos tudo mudou, depois que sua mãe o levou para a primeira aula de balé clássico.

Através de fotos, ele quis mostrar para as pessoas como a dança pode transformar vidas, como aconteceu com eles. Ele dança na companhia de balé Les Ballets Trockadero de Monte Carlo.

Em entrevista ao site MyFoxNy, ele contou que as pessoas diziam que nunca seria capaz de viver por conta própria ou cuidar dele mesmo.

“O balé salvou a minha vida inteira. Se eu não tivesse balé, se eu nunca tivesse pisado em uma aula, eu provavelmente nunca teria me recuperado. Eu provavelmente ainda estaria em escolas especiais tentando apenas sobreviver”, afirmou.

 

Fechar X
Sem mais artigos