Kim Kardashian está pronta para encerrar uma era. Em uma conversa com a revista New York, a empresária refletiu sobre sua carreira nos últimos 10 anos e afirmou que não se sente mais confortável em postar tantas selfies de biquíni. “Acho que estou evoluindo a ponto de não sentir mais a necessidade de continuar com isso”, afirmou.

No início da década, a estrela do reality show ‘Keeping Up With The Kardashians’ não tinha filhos e nem se metia com política. Agora, é estudante de direito, frequenta a Casa Branca, tem quatro filhos e é casada com o rapper  Kanye West. Ou seja, muitas coisas mudaram e a fizeram repensar seu guarda-roupa.

Primeiro, o desconforto ao checar o Instagram do lado das crianças. “Percebi que eu não podia ver o feed do Instagram na companhia dos meus filhos sem que uma foto nua aparecesse quase o tempo todo. E eu definitivamente contribui para isso”.

Kim também chegou à conclusão que havia um grande contraste entre a imagem que apresentava em certos eventos e nas redes sociais. Tornando-se uma ativista em defesa de pessoas presas injustamente, sua presença na Casa Branca se tornou mais frequente. Enquanto em um dia ela se encontrava com o presidente, relembrou que no outro “publicava uma selfie maluca de biquíni, pensando ‘espero que eles não vejam isso. Preciso voltar lá semana que vem'”.

“Acho que estou evoluindo a ponto de não sentir mais a necessidade de continuar com isso. Não que antes eu sentisse, mas já não me importo tanto em tirar milhares de fotos em um biquíni fio dental”. Agora, ela afirma ter outro foco: “vamos viver a vida real e aproveitar. Se acontecer da gente tirar uma foto, ótimo”, caso contrário, ela não quer mais usar seu tempo para produzir fotos perfeitas e ‘instagramáveis’, como fazia anteriormente.

Se essas mudanças têm influência do marido? Talvez. “Não sei se tem a ver com o fato do meu marido ter expressado algumas vezes que eu estava sexy demais e ele não estava confortável com isso. Eu o escuto, entendo. Mas no fim do dia, ele sempre me dá liberdade para ser e fazer o que eu quiser”, contou.

Kim acha um pouco complicado ser vista como “símbolo sexual”. Ela acredita que a superexposição de sua vida trouxe consequências sérias, como o assalto em Paris, em 2016. “Eu definitivamente vejo as coisas que causei a mim mesma, sendo a maior delas o assalto, ao ser chamativa e compartilhar todos os meus movimentos nas redes sociais”. No entanto, ela ressalta amar seu estilo de vida.

“Alguém me perguntou outro dia ‘como é ser você?’ É maravilhoso”, respondeu.

Fechar X
Sem mais artigos