O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, anunciou nesta semana um plano de flexibilização do lockdown. Mas antes mesmo deste comunicado, diversos indivíduos tomaram a liberdade de quebrar a quarentena por causa de sexo.

Uma pesquisa feita com 2 mil usuários do site Illicit Encounters, focado em encontros extraconjugais, constatou que uma a cada cinco pessoas driblaram o lockdown para transar. Como as perguntas foram realizadas com internautas que procuram um affair, não é possível dizer se este resultado se reflete no restante da população, ressaltou o jornal Metro UK.

Para este grupo específico, no entanto, 22% das pessoas que já tinham um caso antes da pandemia estourar continuaram se encontrando com o affair durante o lockdown.

Mas quem mais fura a quarentena definitivamente são os casais que não vivem sob o mesmo teto: em 48% dos casos eles admitiram quebrar a regra para se encontrarem.

Há ainda uma porcentagem (8%) que começou o affair durante o lockdown e deu uma “escapadinha” para se conhecer. E 32% saíram após receberem uma mensagem à procura de sexo tarde da noite.

Os participantes afirmaram que costumam ir na casa dos parceiros ou têm relações sexuais no carro, parques ou praias.

Quem mais driblou o lockdown são as pessoas abaixo dos 30 anos: 38% confirmaram que desobedeceram a quarentena para transar. E apenas 48% dos participantes disseram se sentir culpados por estarem colocando a saúde deles e dos demais em risco. Mas o nível daqueles que continuariam a quebrar as regras caso um lockdown rígido continuasse é alto: 64%.

Fechar X
Sem mais artigos