O Guangzhou Evergrande até resistiu durante boa parte do primeiro tempo, mas acabou sendo presa fácil para o Bayern de Munique, que venceu o campeão asiático por 3 a 0 no Estádio de Agadir, no Marrocos, nesta terça-feira (17) e se tornou o primeiro finalista do Mundial de Clubes.

Defendendo-se bem, o time chinês, que mais uma vez teve entre os titulares o argentino Darío Conca e os brasileiros Muriqui e Elkeson, resistiu por cerca de 40 minutos até Ribéry abrir o placar, em falha do goleiro Cheng Zeng. Ainda no primeiro tempo, Mandzukic fez o segundo, e Götze deixou o dele na etapa final.

O Bayern agora espera o resultado da segunda semifinal, que será disputada nesta quarta-feira (18) entre Raja Casablanca e Atlético-MG, em Marrakech. O derrotado será o adversário do Guangzhou na disputa pelo terceiro lugar.

O técnico do Bayern, Josep Guardiola, optou por poupar dois jogadores considerados titulares, o zagueiro brasileiro Dante e o meia-atacante Müller, segundo jogador do elenco que mais vezes atuou na temporada até agora. Com isso, Van Buyten e Thiago Alcântara começaram jogando.

No Guangzhou, Marcelo Lippi fez apenas uma alteração na equipe em relação à escalação da vitória sobre o Al-Ahly por 2 a 0 nas quartas de final. Gao Lin foi sacado para a entrada de Zhao Xuri, o que tirou a equipe do 4-3-3 para um 4-4-2 conservador.

Lippi montou um tradicional catenaccio, e em boa parte do tempo os 11 jogadores do campeão asiático ficavam no campo de defesa. O Bayern, por sua vez, se “plantava” no campo de ataque, mas tinha dificuldades para finalizar.

Após momentos de muitos passes para o lado e pouca objetividade, o Bayern enfim levou perigo ao gol defendido por Zeng. A bola foi de pé em pé no ataque pela esquerda até chegar na entrada da área para Thiago Alcântara, que cortou a marcação, bateu colocado e carimbou a trave direita.

Normalmente forte no contra-ataque, o Guangzhou não conseguia acertar um sequer. A única oportunidade em todo o primeiro tempo aconteceu aos 22, quando Muriqui foi colocado para correr no lançamento longo. Partindo do campo de defesa, o ex-jogador do Vasco perdeu na velocidade para o goleiro Neuer.

Dois minutos depois, a trave de Zeng voltou a balançar. Com a defesa chinesa bastante fechada, Kroos arriscou de longe e carimbou o travessão.

O campeão europeu ficava mais tempo com a bola, com mais de 70% de posse de bola, o que, no entanto, não se refletia em chances de gol. A zaga do Guangzhou era praticamente impecável, mas Zeng colocou tudo a perder aos 39. Os defensores salvaram pelo menos duas vezes, mas Ribéry ficou com a sobra e chutou rasteiro sem muita força, mas o suficiente para superar o goleiro, que falhou.

Teve início então a sequência de gols da equipe bávara. Quatro minutos depois, Thiago Alcântara cruzou da direita, Mandzukic mergulhou como os grandes centroavantes sabem e completou de peixinho.

Com menos de um minuto na etapa final, o Guangzhou teve sua melhor chance e enfim chutou a gol pela primeira vez. Muriqui partiu com liberdade pela esquerda e invadiu a área, mas demorou a bater e, quando finalizou, já não tinha espaço, mandando para fora.

Logo na sequência, porém, o Bayern marcou o terceiro. Götze dominou na direita e bateu de fora da área. A bola desviou na marcação, o que tirou qualquer possibilidade de defesa de Zeng.

Aos dez minutos, o trio de ataque do time chinês conseguiu pela primeira vez aparecer junto em uma jogada. Muriqui foi acionado na esquerda e adiantou para Elkeson, que mandou para a área buscando Conca. Alaba, porém, se esticou todo e impediu que o argentino finalizasse.

Em destaque apenas pelas falhas até então, Zeng fez uma boa defesa aos 14. Thiago Alcântara protagonizou boa jogada individual, e a bola chegou até Götze, que chutou firme. O arqueiro chinês se esticou todo e espalmou por cima.

O Bayern não tirava o pé e acertou a trave outras duas vezes em seguida. Aos 20 minutos, Rafinha inverteu o lance e encontrou Ribéry, que dominou na esquerda, encarou a marcação e acertou o travessão. Um minuto depois, Götze recebeu na direita da área e arrematou para defesa de Zeng, que ainda contou com um desvio na trave.

Passava dos 30 minutos do segundo tempo, e a equipe alemã continuava pressionando a saída de bola do adversário e se fazendo presente no campo de ataque com seis atletas ou mais. Com paciência, o campeão europeu continuava criando, como aos 32, como Shaqiri cruzou da direita, a bola passou por Pizarro e Götze concluiu tirando tinta da trave direita.

Ainda houve tempo para a trave de Zeng ser carimbada mais uma vez, aos 41. Shaqiri fez o levantamento, Götze desviou e a bola “andou” por cima do travessão antes de sair em tiro de meta.

Fechar X
Sem mais artigos