O Comitê de Ética da Fifa decidiu que todos os dirigentes que receberam um relógio de presente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), avaliado em R$ 62,5 mil, estão obrigados a fazer a devolução ou doá-lo a uma organização beneficente.

De acordo com comunicado publicado no site da Fifa, a própria CBF admitiu a distribuição de 65 sacolas de presentes, contendo um relógio Parmigiani, durante o 64º Congresso da entidade que rege o futebol mundial.

Os contemplados foram 28 dirigentes integrantes do Comitê Executivo da Fifa, um representante de cada uma das 32 federações afiliadas participantes da Copa do Mundo e um representante de cada uma das 10 federações da Conmebol.

Ainda de acordo com a Comissão de Investigação do Comitê de Ética, o prazo para a devolução será o dia 24 de outubro. Após esta data, os presentes serão encaminhados à uma organização beneficente independente situada no Brasil.

A Fifa informou que não será iniciado procedimento contra os dirigentes que receberam os relógios, e também que a CBF colaborou nas investigações. Segundo a entidade nacional, cada relógio havia custado R$ 20,4 mil.

A Comissão de Investigação, no entanto, confirmou posteriormente que o valor de cada um dos 65 relógios distribuídos foi de R$ 62,5 mil, o que daria custo total de pouco mais de R$ 4 milhões.

A Fifa destacou que a legislação de ética da entidade proíbe o recebimento deste tipo de presente aos dirigentes. 

Fechar X
Sem mais artigos