Todo o glamour que um piloto de Fórmula 1 vive, ou pode viver, não é o que procura na vida o atual tricampeão da categoria, Sebastian Vettel. Contrário à vida de luxo que os profissionais desta área vivem, o alemão revela que tem padrão bem mais baixo e que, apesar de dirigir um bólido que chega a mais de 300 km/h, na vida pessoal ele anda com uma grande van branca. A matéria está no site Daily Mail desta sexta-feira (22).

“O carro que eu realmente gosto de dirigir… não sei o quanto posso dizer, mas eu tenho uma van da Volkswagen. Como um coletivo. Não um muito velho, mas é tão mais fácil para colocar toda a minha porcaria lá atrás, como a minha bicicleta. Você pode tirar os bancos. Eu comprei de segunda mão em 2007 por R$ 65 mil”, revelou Vettel.

Mas, rapidamente, voltou ao mundo corporativo para responder que o seu carro favorito é o Infiniti, atual modelo da escuderia que defende, a Red Bull.

O fato de ser um piloto fora de série também no estilo de vida é mais forte até no lugar em que escolheu para morar. Diferentemente de Lewis Hamilton ou Jenson Button, que escolheram o principado de Mônaco para criar raízes, o alemão foi para um local bem mais sossegado.

Sebastian elegeu como lar uma casa em uma pequena vila suíça na cidade de Ellighausen, na fronteira com sua terra natal, a Alemanha. A região é conhecida por ser de criação de vacas leiteiras.

“Não tenho vacas”, respondeu, sorrindo, para não criar “polêmica”. “A minha vida é bem normal. Muito diferente do que acontece aqui (nas pistas). É tudo muito quieto. (Lá) tem mais vacas do que pessoas!”

“A sua vida depende do estilo de vida que você leva. Não tem certo ou errado. Somos muito ocupados o ano todo. Você precisa de alguma coisa diferente em casa – paz e tranquilidade. Não fico tentado em lugares como Mônaco. É legal, mas não é para mim”, confessou.

“Meus vizinhos não me incomodam. Estou feliz por ter achado um lugar legal na Suíça. Os suíços respeitam bastante o seu espaço privado, mas eu me considero um esportista, não uma estrela. Eu tenho zero seguidores no Twitter, então não posso ser uma estrela”, contou, novamente em tom descontraído.

O estrelato e a dominação do mundo da Fórmula 1 aos 25 anos realmente parecem não ter afetado Vettel, que quer ter a vida mais simples possível.

“Vou às lojas e compro as minhas coisas. Nunca fiz nada de forma diferente. Tenho alguma ajuda em certas coisas. Tenho alguém que corta a grama, mas de vez em quando eu mesmo corto”, falou, e lembrou de um fato, no mínimo, diferente: “Há dois anos eu estava em Londres almoçando com Bernie Ecclestone (chefão da F1) e é bem comum ter paparazzi em volta por lá. Eu levantei e o fotógrafo me pediu pra eu sair do caminho já que Bernie estava vindo”.

Porém, na Alemanha ele acaba sendo reconhecido pelo público, especialmente quando vai ao estádio ver o seu time do coração, o Eintracht Frankfurt. E, em eventos assim, gosta de deixar os amigos dirigirem, pois não gosta de pegar tráfego lento.

“Odeio trânsito. Tento achar a pista mais rápida. Sempre tento os atalhos e acabo sendo parado pela polícia por usar alguns ilegais. As pessoas devem achar que sou um maníaco na estrada, mas sou bem tranquilo, sempre obedecendo os limites de velocidade, é claro! No tráfego você não pode correr e eu não preciso de carros grandes”, narrou.

Realmente, não precisa. Só de um Red Bull nos circuitos e sua van Volkswagen nas ruas.

 

Fechar X
Sem mais artigos