Aos 50 anos, Dinho Ouro Preto revelou ter se afastado de qualquer tipo de droga nessa atual fase de sua vida, em entrevista para o jornal Extra, deste domingo (1º). Pai de três filhos, Giulia, de 17 anos, Isabel, de 15, e Affonso, de oito, o vocalista da banda Capital Inicial contou que a decisão foi uma questão de saúde.

“Vai fazer um ano que parei de beber e fumar maconha. As drogas mais pesadas, faz anos que parei de usar. Procurei uma psiquiatra, tomei remédio e estou limpo. As pessoas tomam drogas na minha frente, mas até agora não tive recaída. Não foi uma opção moral, foi questão de saúde. Senti o quanto estava prejudicando o meu trabalho, meu convívio com a família e meus relacionamentos em geral. Hoje, não tomo uma gota de álcool para subir no palco. Essa foi a minha maior conquista. Fiz o teste ergoespirométrico (que avalia o nível de aptidão física) e recebi a classificação excelente. Nunca estive tão saudável como aos 50 anos. Vou à academia e corro todos os dias”, contou o músico.

Além da banda, Dinho também está no programa SuperStar, da TV Globo, como jurado ao lado de Fábio Jr. e Ivete Sangalo. Com a visibilidade da atração, ele contou que o assédio nas ruas aumentou, mesmo com seus mais de 30 anos de carreira.

“Sempre fui bastante abordado por fãs, mas agora a coisa está generalizada. São crianças, senhoras, pessoas de todas as classes sociais. Semana passada, fui ao Nordeste e, no aeroporto, não consegui me mexer. Tentei me esconder num canto, mas uma criancinha pediu autógrafo e outras pessoas viram que alguém estava sendo abordado, então se aproximaram. Isso gera um efeito bola de neve, começa a criar tumulto e dá até um pouco de pânico. Não é por vaidade, mas em aeroportos maiores tenho pedido uma sala separada. Quando isso não é viável, eu relaxo e, na medida do possível, tento atender a todos. Nem nos momentos de pico do Capital tive isso”, revelou o cantor.

Fechar X
Sem mais artigos