O poeta ensaísta, crítico de arte, dramaturgo, biógrafo, tradutor e memorialista, Ferreira Gullar morreu neste domingo (4)  aos 86 anos no Rio de Janeiro. O escritor estava internado no Hospital Copa D’Or há cerca de vinte dias devido a uma insuficiência respiratória.

Ferreira Gullar ganhou algum dos prêmios mais importantes da literatura. Em 2002, foi indicado por nove professores dos Estados Unidos, do Brasil e de Portugal para o Prêmio Nobel de Literatura. Em 2007, seu livro Resmungos ganhou o Prêmio Jabuti de melhor livro de ficção do ano. Em 2014, Ferreira Gullar entrou  para a Academia Brasileira de Letras. Em 2010, Gullar foi agraciado com o Prêmio Camões, o mais importante prêmio literário da Comunidade de Países de Língua Portuguesa. No mesmo ano, foi contemplado com o título de Doutor Honoris Causa na Faculdade de Letras da UFRJ. Um ano depois ganhou o Prêmio Jabuti com o livro de poesia Em Alguma Parte Alguma.

Gullar é autor de o “Poema Sujo”, seu poema mais conhecido e ícone da resistência à ditadura. Relembre frases e poemas de Ferreira Gullar na galeria de imagens abaixo

Fechar X
Fechar X
Sem mais artigos