Ele começou aos oito anos e já está há quase metade da vida no automobilismo. Pedro Cardoso, 14, é dono de uma carreira sólida no kart, e, mesmo inapto para tirar carteira de motorista no Brasil, já dá as primeiras aceleradas em bólidos (carros superpotentes) de gente grande.

O Virgula Esporte  conversou com o piloto que acaba de garantir mais um título internacional, o Florida Winter Tour, em Orlando, Estados Unidos. O campeonato, que terminou no último final de semana, garantiu a ele uma vaga para o mundial de kart, em Marrocos. Mas ele quer mais.

“Mesmo tendo apenas 14 anos, sei que esse esporte coloca muita pressão em todos, então tenho que me acostumar com isso”, disse a promessa.

Bem preparado e aconselhado, Pedro fará a sua estreia na Ginetta Junior UK, um famoso campeonato juvenil com carros de menores dimensões do que aqueles com que estamos acostumados, mas que chegam a incríveis 200 km/h (veja na foto abaixo).

O jovem, porém, tem talento de sobra para se adaptar bem e sobressair, isso segundo o seu conselheiro particular, Geraldo Rodrigues, nome que descobriu grandes pilotos brasileiros, como Rubens Barrichello, Tony Kanaan e Ricardo Zonta, entre muitos outros.

“É difícil dizer que é uma coisa só. É o conjunto de vários pontos importantes, na minha opinião, que fazem um grande piloto. O Pedro tem um talento natural incrível, pilota um carro muito rápido com uma facilidade enorme, naturalmente, sem ter que pensar em nada! Outro ponto importante é o ‘sempre querer mais’, nunca estar satisfeito com si próprio, ir mais rápido e vencer seus tempos e marcas. Além de tudo isso, é um menino muito maduro, inteligente e carismático. Para mim, a combinação muito perto do ideal”, relatou o empresário.

Apesar da confiança em gente com experiência no ramo, e do apoio incondicional do pai, o empresário Sérgio Moraes Cardoso (paizão-coruja que só usa o Facebook para dar notícias do filho), Pedro confessa sofrer certo bullying por ser tão novo e já estar entrando no mundo das competições com carros. Claro, deve rolar uma “inveja branca” do garoto-prodígio.

Com a pouca idade, nunca viu um brasileiro campeão mundial de Fórmula 1. Assim, o ídolo da vez é o atual tetracampeão Sebastian Vettel, de 26 anos, o mais jovem a conseguir o feito. Escolheu bem em quem se espelhar.

Com a cabeça no lugar, mostra ter noção da carreira ainda engatinhando. Ainda assim, imagine você, aos 14 anos, acelerando um motor Zetec 1.8 de 165 cavalos em pista lendárias como Brands Hatch, Silverstone ou Donington Park?

“Mal posso esperar para correr. Nos testes, me senti bem à vontade dentro do carro e agora é trabalhar para conhecer mais o equipamento e seus ajustes. É o início de uma longa jornada e tenho muita coisa para aprender. E o Ginetta Junior UK é o melhor lugar possível para isso”, declarou ao Virgula Esporte sobre o desafio que tem pela frente.

Com quase metade da vida dedicada a um dos esportes preferidos do brasileiro, ele se rende ao mais popular de todos – é torcedor do Fluminense – e comentou qual seria seu plano B caso não tivesse se tornado piloto: “Sempre gostei de futebol. Acho que tentaria ser jogador”.

Deve ser fácil ter uma segunda opção quando a primeira vai tão bem.

Fechar X
Sem mais artigos