Os lançadores de martelo bielorrussos Vadim Devyatovsky e Ivan Tikhon, respectivamente segundo e terceiro colocados nos Jogos Olímpicos de Pequim-2008, receberam de volta do Comitê Olímpico Internacional as medalhas de prata e bronze que lhes foram tiradas devido a uma acusação de doping.

“Se estes rapazes fossem fracos, depois destes dois anos teriam desmoronado. Mas graças ao que lhes deu o esporte, a família olímpica, puderam superar este litígio e este sofrimento”, afirmou Gennady Alexeyenko, vice-presidente do Comitê Olímpico Bielorrusso, durante uma cerimônia em Minsk, capital do país.

O COI retirou em dezembro de 2009 as medalhas dos atletas após eles terem sido acusados, em agosto de 2008, de consumo de testosterona, o que os dois sempre negaram.

Devyatovsky, de 33 anos, e Tikhon, de 34, recorreram à Corte Arbitral do Esporte (CAS), que os absolveu e determinou que, além da devolução das medalhas, ambos fossem indenizados em US$ 50 mil.

Segundo a imprensa bielorrussa, os dois atletas tiveram que gastar cerca de US$ 500 mil em despesas com advogados e análises médicas para mostrar sua inocência.

Devyatovsky, vice-campeão mundial em 2005 e medalhista de bronze no Campeonato Europeu de 2006, já havia sido sancionado entre setembro de 2000 e 2002 por doping. Por isso, se o CAS não tivesse admitido seu recurso, teria sido banido do esporte por reincidência.

Fechar X
Sem mais artigos