Nesta quarta (15), em manifestação contra o governo de Barack Obama, ativistas se reuniram para despejar cerca de uma tonelada de chá na Praça Lafayette, em frente a Casa Branca, em Washingtom D.C.. A capital norte-americana é apenas mais uma das cidades que irão protestar contra a atual presidência.

Segundo o <i>Washingtom Post</i>, eles chegaram a descarregar os chás pela manhã, mas foram interrompidos por policiais. O grupo estuda outras maneiras de usar toda a quantidade de chá ainda hoje. Outra manifestação, que aconteceria em frente ao prédio do Tesouro americano, foi desmarcada pelo mesmo motivo.

Organizadas principalmente pela internet, as chamadas “Tea Parties” cresceram por iniciativa da população e possuem inspiração na Revolta do Chá, ocorrida em 1773, em Boston. No episódio histórico, os americanos protestaram contra o aumento dos impostos dos produtos, como o chá, impostos pela colônia inglesa.

Em Boston, manifestantes também se reuniram no centro da cidade com cartazes (foto acima) que exaltam “os valores americanos”, como a propriedade privada. Um deles dizia: “O que é meu não é seu. Diga não ao socialismo!”.

EXTREMA-DIREITA

A primeira manifestação contra o governo de Barack Obama teria acontecido em 16 de fevereiro. Assim se deu início à organização das “Tea Parties” e a ideia foi ganhando adeptos em várias partes do país.

Lançado no dia 7 de abril, um relatório elaborado pelo Departamento de Segurança Interno americano junto ao FBI aponta que movimentos de extrema-direita estão crescendo nos Estados Unidos.

O estudo afirma que, aproveitando o momento de recessão econômica e a eleição do primeiro presidente afro-americano nos Estados Unidos, iniciou-se uma onda de descontentamento no país.

O relatório alerta que o desemprego e a oferta limitada de crédito “criam um ambiente favorável ao recrutamento de ativistas de extrema-direita e podem resultar em confrontos entre os grupos e autoridades governamentais”. 

Fechar X
Sem mais artigos