O blog Obra em Progresso, tocado como um violão por Caetano Veloso, passou quase 10 meses abrindo a criação do compositor no que veio a ser a preparação de seu recém-lançado Zii e Zie, que chega às lojas do Brasil via Universal.


 


De lá pra cá, o músico baiano foi moldando a sonoridade do que tornou-se o seu novo disco. Muitíssimo bem acompanhado pela banda (Pedro Sá, Ricardo Dias Gomes e Marcelo Callado), Caetano encontrou um caminho diferente pelo qual seguir, algo que ele chamou de Transambas e Transrocks.


 


Mas deixando a nomenclatura de lado, nota-se mesmo algo de diferente no som do compositor. Alternações de vocais em falsete com momentos mais graves, levadas mais acústicas com mais elétricas e até sambas que desandam a soar guitarras.


 


Lobão Tem Razão, um desses sambas que arrancam sorrisos dos fãs dos Los Hermanos, tem uma letra curiosa. É um belo desabafo que cita essa outra personalidade tão conhecida na MPB. A faixa de abertura, Perdeu, mostra que Caetano não deixou passar o bonde do tempo como até já chegou a fazer antes, mas sim que ele abriu as suas portas para as novas tendências da música brasileira.


 


Momentos mais conservadores também aparecem em músicas como Diferentemente (um samba daqueles bem tradicionais) e Menina Da Ria, que tem uma levada mais próxima do som que o compositor fazia no fim dos anos 70.


 


Ele vai de política em A Base de Guantánamo, com  um coral roqueiro e levada funk. Vai de saudosismo com a versão de Incompatibilidade de Gênios, também gravada por João Bosco e Aldir Blanc. Ele ainda aproveita pra cantar as belezas do reduto carioca da Lapa, na faixa que leva o nome do famoso bairro do Rio.


 


Foi uma agradável surpresa encontrar realmente algo de novo no já veterano Caetano Veloso e isso é algo que merece ser reconhecido.


 


Com certeza Zii e Zie não é o melhor álbum da carreira do músico. Ele não vai influenciar tanta gente quanto Caetano Veloso (de 68) e nem tem a mesma genialidade dos grandes clássicos da nossa música, mas isso na verdade hoje em dia já não tem a menor importância.


 


Logo aqui do lado você pode conferir uma versão especial da faixa A Base de Guantánamo, gravada ao vivo durante as criações do blog Obra em Progresso.

Fechar X
Sem mais artigos