Clientes de maior doador de sêmen temem incesto

Ele é pai de 18 filhos com mais cinco a caminho, mas o “doador de esperma mais popular do mundo” diz que não está preocupado que seus filhos possam acidentalmente formar relacionamentos incestuosos no futuro.

Kyle Gordy, de 27 anos, é doador de esperma há quatro anos e admitiu que tem havido alguma preocupação por parte dos pais sobre seus filhos “esbarrarem uns nos outros” à medida que envelhecem.

Mas, Kyle tem uma solução e revelou seus planos para criar um grupo no Facebook para que os pais pudessem se encontrar e compartilhar preocupações.

“Expliquei que, à medida que minhas doações aumentavam, eu criava um grupo privado no Facebook para que as mulheres que eu ajudasse pudessem compartilhar fotos ou preocupações sobre os filhos acidentalmente se encontrarem”, disse ele.

“Eu disse que, devido a isso, eu não estava muito preocupado com o fato de qualquer um dos meus filhos inadvertidamente se encontrar e potencialmente formar relacionamentos incestuosos”.

Kyle começou a ajudar as mulheres a engravidar há quatro anos, aos 20 anos, quando ele começou a anunciar nas redes sociais.

Embora sua página no Facebook tenha sido removida, ele revelou anteriormente que tem centenas de mulheres contatando-o todo mês.

Seus primeiros clientes foram um casal que agora tem dois filhos, com idades entre quatro e 14 meses, graças a doações de esperma.

Ele já disse ao Mirror que cem pessoas o consultavam todos os meses. “Eu estou em alta demanda. Não posso ajudar a todos, mas eu geralmente doo para entre duas e cinco pessoas todos os meses.”

Kyle – que não troca dinheiro por seus serviços – revelou que a maioria das mulheres simplesmente usa uma amostra de seu espermatozóide e injetá-lo em casa com uma seringa, mas ele dorme com cerca de um terço de suas clientes. Ele acrescentou: “Quando fazemos sexo, tentamos torná-lo divertido”.

O rapaz de 27 anos, que explicou que a ideia surgiu quando percebeu que ele estava entediado demais nos relacionamentos, até agora só teve filhos nos Estados Unidos, mas explicou que ele também vê o Reino Unido como um mercado em potencial.

“Se alguém no Reino Unido quiser meus serviços, tenho prazer em viajar”, disse. “Eu iria a qualquer lugar para ajudar as mulheres, menos Coréia do Norte ou qualquer zona de guerra”, completou.

Fechar X

 

Fechar X
Sem mais artigos