Pintar o cabelo de cor-de-rosa, fazer uma tatuagem que cubra todo o braço ou furar o corpo inteiro com piercings e alargadores são algumas atitudes que ainda não são completamente aceitas pela sociedade e que causam um pouco de espanto entre os mais conservadores.

No entanto, cada vez mais pessoas vão se acostumando com a diversidade de estilos e tendências. Prova disso é o sucesso de jovens descoladas e estilosas, como MariMoon, 25, VJ recém-contratada pela MTV e que, desde 2003, é considerada um fenômeno da internet por causa do altíssimo número de acessos que possui no seu fotolog.

Em visita à redação do Virgula, ela nos contou como foi a reação da família quando ela começou a demonstrar interesse em adotar um estilo mais alternativo. “Comigo foi tudo super tranqüilo: minha mãe é uma espécie de ex-hippie e curte tudo o que é colorido e que vem da Índia, por exemplo. Já meu pai sempre foi surfista e hoje trabalha com design e arquitetura. Quando eles souberam que eu me interessava por moda e estilo, me apoiaram bastante”.

Bem diferente dela é o caso do estudante de publicidade e propaganda Maurício Gozelli, 20, que não encontrou facilidades na aceitação dos familiares. “Sempre briguei com meus pais por causa dos meus piercings e tatuagens. Eles dizem que eu ainda vou me arrepender disso no futuro e que esse meu jeito rebelde ainda vai me prejudicar”, afirma.

Mas será que optar por ser diferente é apenas rebeldia? A psicóloga Mariângela Savóia, membro do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas, acredita que não.“É natural que todo adolescente tenha uma fase de rebeldia. Faz parte da formação da personalidade, mas acredito que, nesses casos, a questão principal não seja a da revolta contra a sociedade”.

Ela afirma que o estilo pode ser uma forma de buscar a auto-aceitação e um meio de conhecer a personalidade de cada um. “Penso que os jovens querem, de verdade, encontrar sua própria identidade, e uma forma disso acontecer é entrar para grupos com gostos e estilos parecidos. Pode reparar que o comportamento deles e a aparência são quase sempre iguais”, declara.

Já para MariMoon, a relação entre pais e filhos fica mais estremecida se a realidade e o estilo de vida forem muito diferentes. “Acho que tudo depende do lugar onde você é criado e das pessoas que estão ao seu redor. Se seus pais são muito caretas e você é todo despojado, por exemplo, a tendência é que role atrito mesmo”.

Agora, se você é daqueles que acha que os ‘alternativos’ são sempre discriminados e que têm mais dificuldades pra alcançar sucesso na carreira, MariMoon desmente e diz que tudo depende da profissão. “No meu caso, o estilo diferente só ajudou a me tornar conhecida e entrar na MTV. Apesar disso, eu sei que eu não teria chances em outras profissões, como Direito, por exemplo. Nem me imagino fazendo coisas desse tipo…”.

É por esses e por outros motivos que a VJ do Scrap MTV recomenda atenção especial aos pais que perceberem que possuem filhos com dotes não muito comuns. “Acredito que os pais não devem ficar reprimindo os filhos. Se perceberem que o menino ou a menina tem algum talento especial, é legal investir e apoiar, mesmo se a sociedade achar esse dom estranho ou incomum. Mas é claro que tudo deve ter bom senso”.

Comportado, despojado, revoltado, comum, bizarro. Existe alguma alternativa certa pro comportamento de um jovem? Sim: todas! Afinal, todos têm direito de assumir a própria personalidade e viver de acordo com aquilo que acredita estar certo… Certo?

Fechar X
Sem mais artigos