Prática de retirada de barbatanas de tubarão é ilegal

Agentes do sistema alfandegário dos Estados Unidos confiscaram uma carga com 18 caixas que continham barbatanas de tubarão avaliadas em cerca de R$ 4,2 milhões. A interceptação ocorreu em Miami. Segundo investigação inicial, a carga veio da América do Sul.

 

 

De acordo com as autoridades norte-americanas, as caixas seriam transportadas para a Ásia. Lá, as barbatanas de tubarão são apreciadas na culinária de luxo. Entre outros pratos, ganham bastante destaque nas sopas.

 

Porém a prática é ilegal. Ambientalistas explicam que os pescadores não chegam a matar inicialmente os tubarões, mas retiram as barbatanas e devolvem os bichos à água. Incapacitados de nadar, os tubarões sufocam e sangram até morrerem.

 

Um estudo da Marine Policy aponta que 60% das espécies de tubarão estão ameaçadas de extinção. O tubarão martelo e o tubarão-galha-branco-oceânico correm mais riscos, sendo que estas espécies já tiveram cerca de 90% da população reduzida.

 

A polícia norte-americana tem intensificado as investigações quanto às exportações de cargas deste tipo. Hong Kong é o maior destino, já que é considerado o maior polo de negócios de barbatanas. Uma sopa com este ingrediente, por exemplo, chega a custar quase R$ 700.

Sem mais artigos