Um nenúfar anão de Uganda, a menor espécie do mundo desta planta aquática, foi roubado de um tanque da estufa Príncipe de Gales dos jardins botânicos reais Kew, ao sudoeste de Londres, informou nesta quarta-feira a Scotland Yard.

Trata-se de um exemplar da “Nymphaea thermarum”, uma espécie insólita por seu reduzido tamanho de apenas um centímetro de diâmetro, que supostamente foi roubada dos jardins na quinta-feira (15) passada por “algum visitante”, segundo fontes policiais.

“Nossos empregados se dedicam à conservação de plantas e os incidentes deste tipo supõem um golpe em nossa confiança. Levamos muito a sério os roubos em nossa coleção científica de plantas, que não tem preço”, disse Richard Barley, diretor de horticultura dos jardins Kew.

O chamado nenúfar anão ugandense, de pétalas brancas e estigma amarelo, foi descoberto pela primeira vez em 1987 nas águas termais da cidade de Mashyuza, em Ruanda – país fronteiriço com Uganda -, mas desapareceu em torno de 2008 devido a uma primavera extremamente calorosa que secou as águas do manancial.

O botânico alemão que o descobriu foi capaz de preservá-lo até que o delicado nenúfar chegou à capital britânica.

Os jardins botânicos Kew, declarados patrimônio mundial da Unesco em 2003, são o único lugar do mundo no qual crescem cerca de 50 destes nenúfares pequenos, graças ao trabalho do asturiano Carlos Magdalena, que conseguiu que florescessem pela primeira vez em 2009 recriando seu habitat natural.

A Scotland Yard iniciou uma investigação para resolver o roubo do “Nymphaea thermarum” deste espaço verde ao sul do Tâmisa, que foi fundado em 1759 e tem mais de 132 hectares.

Apesar de abrigar mais de 30 mil plantas florais e o banco de sementes mais extenso do mundo, os jardins botânicos de Londres não contam com câmeras de segurança, informaram fontes policiais.

Fechar X
Sem mais artigos