Se você abrir o dicionário Houaiss e procurar por “amizade colorida”, vai encontrar algo parecido com: “relacionamento amoroso e sexual, geralmente passageiro, sem compromisso de estabilidade ou fidelidade”.

Gostou da definição? Então você é daquelas pessoas que não se amarram muito em namoro ou que buscam um relacionamento mais tranqüilo, e acabam escolhendo um amigo ou alguém próximo pra ficar junto de vez em quando. Mas será que uma relação dessas é sempre mais fácil?

A estudante Mariana Viola, 18, garante que não. “Sempre me dei muito mal quando me envolvi com amigos íntimos. Em quase todas as vezes eu me apaixonava e isso acaba estragando tudo”, afirma.

Por outro lado, a amizade colorida dá uma sensação de liberdade e desprendimento que agrada a muitos jovens. “Não existe relação melhor. Você já é íntimo da pessoa, tem carinho, respeito e ainda não vive com aquela cobrança de ciúmes que o namoro traz. Tudo é mais sossegado e prazeroso, com certeza”, revela o estudante de psicologia Samuel Cabral, 22.

Prazer sem culpa e sem cobrança. Parece a combinação ideal, mas nem sempre é assim que acontece. Como descreve o dicionário, a amizade colorida é uma relação aberta, que não dá muita margem pra algo sério ou duradouro. Sendo assim, quando uma das partes se envolve e se apaixona, a amizade pode ser seriamente prejudicada.

Foi o que aconteceu com a estudante de jornalismo Silvia Postiglioni, 20, que chegou a perder uma amizade de infância por causa dessa mistura de sentimentos: “Eu gostava muito dele, de verdade, mas não o enxergava como um namorado. A gente ficava de vez em quando, mas eu levava meio que na brincadeira, sabe? Até que se apaixonou, começou a ter ciúmes e a gente teve que se afastar”, revela.

Outro problema pra quem gosta de viver esse tipo de relação é que o clima de “ninguém é de ninguém” pode aumentar o risco de contrair Doenças Sexualmente Transmissíveis, como a AIDS.

Por isso, é importante ter cuidado na hora de se envolver com alguém que a gente gosta, além de não ficar muito empolgado(a) com o oba-oba da situação. Também é fundamental ter em mente os limites que esse tipo de relacionamento impõe, pra que não haja risco de ilusões ou frustrações. E aí? Tá pronto(a) pra encarar uma aventura dessas?

Fechar X
Sem mais artigos