foto 3

(Foto: Gabriel Wickbold)

Ganhador de cinco prêmios Grammy e responsável pelo sucesso de vários artistas nacionais, Rick Bonadio, um dos mais conhecidos produtores musicais do país, tem história de sobra para contar. E, foi o que fez na biografia Rick Bonadio – 30 Anos de Música, que acaba de ser lançada pela editora Seoman. Em parceria com o jornalista Luiz Cesar Pimentel, o produtor colocou no papel o que aprendeu nessas três décadas vivenciando de pertinho a ascensão e o declínio de muitos astros.

Evitando revelar os ‘podres’ de artistas com quem já trabalhou, no livro Bonadio não se incomoda nem um pouco em tocar em assuntos polêmicos, como por exemplo a famosa treta que existia entre Chorão, do Charlie Brown Jr, e Badauí, do CPM 22. “Era uma situação de pano quente bem difícil pra mim. Eu tinha os dois artistas e não queria que eles brigassem. Então, eu ficava no meio segurando a onda. O Chorão era o mais difícil de lidar, eu tentava dar uma segurada nele, mas não era fácil”, contou o produtor em exclusiva ao Virgula.

Marginal Alado

Falando em Chorão, Bonadio relembra do eterno ‘Marginal Alado’ com orgulho e carinho: “Foi o maior artista que eu já conheci. Ele era extremamente criativo e tinha um poder vocal absurdo. Ele colocava voz nas músicas com uma energia que vinha não sei de onde. Era uma coisa muito forte que convencia qualquer pessoa”, e continua: “Sabe, o Chorão tinha uma paixão e uma fascinação gigantesca pelo Charlie Brown Jr. Tenho certeza que nunca iria deixar a banda. Não era o tipo de cantor que iria seguir carreira solo. Eu cheguei a conversar sobre isso com ele e me disse que detestava a ideia. Chorão queria ser ‘cara de banda’, e não artista solo”.

E, não era apenas dentro do estúdio que Bonadio lidava com Chorão, o produtor conhecia bem o músico no dia a dia. “Ele era um cara multifacetado de personalidades. Tinha uma sensibilidade muito grande e valorizava demais o amor pela mulher, filhos e amigos. Por outro lado, ele possuía uma ira dentro dele que, quando explodia, o tornava intenso. Por isso o Chorão era tão especial. Era verdadeiro.”, finaliza.

1º artista do Midas

Durante a conversa, Bonadio também conta que seu estúdio, o famoso Midas, que já foi a casa de inúmeras bandas, foi estreado em grande estilo, com um artista internacional. “Em 1998, o Smashing Pumpkins veio fazer shows no Brasil. Tinham acabado de lançar o álbum Adore e estavam procurando um estúdio para gravar umas versões acústicas exclusivas para a América Latina. Na época só o Midas tinha uma mesa de som específica que eles queriam. Então, o grupo foi lá, gravou e inaugurou o estúdio”, conta orgulhoso.

X-Factor Brasil > Produção Musical

Hoje, Bonadio tem uma outra ocupação além de produtor; é um dos jurados do reality de sucesso The X Factor Brasil, da Band. Sabendo dividir tempo entre o estúdio e a emissora de TV, ele não tem medo algum de que a sua participação no programa ofusque sua carreira na música: “De jeito algum. A essa altura do campeonato consigo mostrar que sou um produtor que também gosta de fazer televisão. Já consegui superar esse risco, pois se eu não tivesse bagagem suficiente seria bem possível disso acontecer. Mas, hoje não me preocupo. Estou tranquilo”.

Fechar X
Fechar X
Sem mais artigos