(Foto: Marta Ayora) Morrissey em São Paulo

“Todo dia é como domingo. Todo dia é silencioso e cinza”, diz a letra do hit Everyday Is Like Sunday, de Morrissey. Música que foi cantada pelo britânico no show realizado ontem à noite, dia 2, no Espaço das Américas, em São Paulo. Exatamente em um domingo nublado e chuvoso onde a capital paulista mais parecia Londres ou Manchester.

Aos 59 anos de idade, o cantor apresentou boa forma vocal e ótima presença de palco. Em 2015, passou por um tratamento de câncer no esôfago e preocupou os fãs. Mas, Moz está saudável, inteiro e isso é o que importa. Não poupou a sua bela voz, ocupou todo o palco andando com classe de um lado para o outro, tocava a mão das pessoas e assinou discos que eram erguidos no gargarejo.

No repertório, canções de sua carreira solo como Alma Matters, November Spawned a Monster, Jack The Ripper, First of The Gang to Die e If You Don’t Like Me, Don’t Look at Me fizeram os 6 mil fãs cantarem e dançarem durante uma hora e meia de show. O single Spent The Day in Bed, do recente álbum Low in High School se mostrou mais poderoso ao vivo.

Como era esperado, três canções do The Smiths, sua ex-banda, surgiram no set list: William, It was Really Nothing, Is It Really So Strange? e a clássica How Soon Is Now?. O público foi à loucura. Também houve espaço para uma cover do The Pretenders com Back On The Chain Gang.

Mesmo com a ausência dos grandes hits Suedehead e Let Me Kiss You de sua carreira solo, ou This Charming Man, Bigmouth Strikes Again e There Is a Light That Never Goes Out, do The Smiths, quem dera que todos os domingos fossem iguais a esse.

Um showzão. Confira fotos:

Fechar X
Fechar X