Sean Shakespeare

A diversidade de pessoas e o dinheiro vêm produzindo uma efervescência em Orlando que passa pela gastronomia, arquitetura, moda e, claro, a música. A cena local é diversa e contempla diferentes gêneros.

“Orlando é um lugar muito diverso e artístico”, resumiu a vocalista e baixista do trio de power pop Expert Timing ao Virgula.

Leia nossas conversas com alguns destes artistas que estão movimentando a cena.

Qual é a coisa mais interessante acontecendo em Orlando?
Sean Shakespeare – Definitivamente, o crescimento. A cidade está crescendo rapidamente, assim como os artistas e eventos, há sempre boa música e boa comida ao virar da esquina.

Quais são suas maiores influências?
Sean – Mesmo que eu faça hip hop, eu tenho ouvido muito blues ultimamente. Eu tenho curtido muito Gary Clark Jr.

A referência principal é geralmente a bateria. Você pode expressar qualquer coisa sobre um groove de bateria básico. Eu saio e faço performances improvisadas com a lenda do blues e rock de Orlando Eugene Snowden e outra grande banda de Orlando, Leisure Chief, e minha abordagem hip hop do vocal derrete como manteiga, apesar de não estarem tocando todos hip hop. Eu amo isso.

Expert Timing por Sarah Modene

Ao definido como bubblegrunge power pop, o Expert Timing é formado por Jeff (guitarra e voz), Katrina (baixo e voz) e Gibran (bateria).

Qual é a coisa mais interessante que acontece hoje em Orlando, na sua opinião?
Katrina – Orlando é um lugar muito diverso e artístico. Eu acho que muitas vezes é estereotipada como uma armadilha turística, mas honestamente há muito mais. Eu também acho que está mudando drasticamente do que parecia ser uma cidade pequena para um centro de influência que pode realmente se sustentar.

Quais nomes você mais gosta e indica pessoalmente?
Katrina – Algumas bandas que realmente amamos são Charly Bliss, Tancred, Courtney Barnett, Slingshot Dakota, Dikembe, Woolbright, Winded (honestamente, a lista pode continuar, há tantas bandas inspiradoras por aí)

Quais são suas principais referências entre músicos?
Katrina – Nós sempre ouvimos guitarras e músicas barulhentas e melódicas. J Mascis e Pavement têm uma enorme influência no tocar de guitarra de Jeff. Também bandas como Tigers Jaw e That Dog, nós as ouvimos e pensamos “uau queremos harmonias neste nível”. E isso nos faz trabalhar muito para tentar chegar lá.

Poucas mulheres são produtoras e compositoras, você acredita que isso é um reflexo do machismo?
Katrina – Sim, definitivamente existe um machismo tóxico muito enraizado que existe na música, na arte e em todos os lugares. No entanto, acredito que a maré está começando a mudar. Há tantas vozes falando e realmente sendo ouvidas agora. Eu realmente espero que as mulheres em algum momento possam existir razoavelmente no mesmo espaço que os homens, porque nós merecemos isso.

Você acha que há algo típico de sua música que indica sua origem?
Katrina – Há definitivamente uma familiaridade com os sons da cena musical da Pensilvânia, em que Jeff cresceu. No entanto, ele distorce e muda através do ponto de vista de Gibran e do meu. Costumamos ser comparados às bandas dos anos 90, mas é claro que foi uma década que influenciou imensamente nós três, mas de maneiras ligeiramente diferentes. Talvez seja isso que eu mais gosto nas nossas músicas, que elas sejam vagamente familiares, mas também únicas.

Fechar X

Fechar X
Sem mais artigos