Céu

Céu

Com um line-up de respeito pra quem se liga na música brasileira independente, o Vento Festival, é uma boa desculpa pra ir pra Ilha Bela no fim de semana.  O orçamento de R$ 236 mil, incluindo custos de som e palco, é quase um milagre da economia criativa e colaborativa.

Céu, Saulo Duarte & A Unidade, O Terno, Guizado, Lira, Holger e Inky estão entre os nomes que se apresentam até domingo (19). Na quinta, Tulipa Ruiz encerrou a primeira noite de festival com repertório do seu novo álbum, Dancê, e comprovou sua evolução como performer e artista.

Em família, com o pai, Luiz Chagas, que foi da banda do mítico Itamar Assumpção, e o irmão Gustavo Ruiz, um dos produtores mais afiados da nova geração, ela levou cerca de 1.100 pessoas, segundo os organizadores, à praça das Bandeiras, na Vila, região histórica da Ilha.

Tulipa no primeiro dia do Vento Festival

Tulipa no primeiro dia do Vento Festival

Ilhabela is burning

“As pessoas estão muito felizes, orgulhosas”, diz Anna Penteado, do Núcleo Indahouse. Idealizadora e organizadora do evento realizado pela Prefeitura de Ilhabela e Secretaria de Turismo. Anna, que é videomaker  e tem uma produtora de música, trocou São Paulo pela Ilha e prepara a realização de uma série de eventos na cidade.

Cada vez mais gente da indústria criativa segue o mesmo caminho, designers, artistas plásticos, jornalistas, músicos, cenógrafos, estilistas. O trombonista da banda da Tulipa, Odirlei Machado, o Didi, por exemplo, se mudou pra Ilha e está dando aulas. Alguns alunos foram vê-lo no show.

“Existe uma movimentação cultural forte na Ilha”, afirma Ana. Desde os tempos dos piratas, que curtiam a liberdade e a facilidade de criar zonas autônomas temporárias sem serem incomodados, as ilhas são ponto de atração de gente de diferentes habilidades e saberes. Pessoas que às vezes até abrem mão de deixar se definir pela profissão, confundindo o cargo à pessoa e a vida ao traballho. “As pessoas aqui se olham nos olhos quando se encontram”, resume Anna.

Primeiro dia do Vento Festival

Marcelo Oséas/Divulgação Primeiro dia do Vento Festival

O Vento Festival também incorpora, na raiz, a questão do poder feminino, basta olhar quem está por trás dele. Além da já citada Anna, a produção executiva é de Bianca Lombardi, com produção artística de Shirlei Vieira, da Recheio Digita, a direção de arte é de Tatiana Sobral, da Casco Ilhabela. “Mulheres superpoderosas”, resumiu Tulipa. Ela própria, uma delas.

Who run the world? As mulheres, os criativos, os alternativos, os independentes. O Vento já bateu. Agora é levantar as velas e se mandar.

SERVIÇO

Vento Festival, grátis, praça das Bandeiras, na Vila
Sexta, a partir das 20h, Norma Nascimento, Singapura, O Terno e Lira
Sábado a partir das 20h, Holger, DJ Mataga e Dip, Céu
Domingo, a partir das 15h Fidura, DJ Phill, Piratas da Ilha, Guizado e Inky

Fechar X
Sem mais artigos