Lobão criticou uma matéria da Folha de S. Paulo sobre suas falas no Festival de Mantiqueira, domingo passado (29).

O músico falou por mais de duas horas. A nota do jornal, curta, focou apenas em comentários (“críticas”, segundo o jornalista) que Lobão fez sobre João Gilberto e Chico Buarque.

Segundo a matéria, o cantor disse não ter gostado da versão que João Gilberto gravou de Me Chama.

“João Gilberto tirou o ritmo de tragédia maníaca de ‘Me Chama’. E ele ainda não cantou a parte: ‘Nem sempre se vê mágica no absurdo’. Disse que não entendeu essa parte. Se ele tivesse me ligado, eu teria explicado.”

Depois amenizou, dizendo que João Gilberto é “um amor de pessoa. O problema é que ele virou um ser sagrado. Nós temos que destronar tudo o que é sagrado”.

Segundo o artigo do jornalista Marco Rodrigo Almeida, Lobão teria ainda ironizado Chico Buarque e afirmado que “a dita MPB é de uma mediocridade galopante.”

No seu Twitter, Lobão lamentou o fato da matéria tentar criar polêmica em cima de suas declarações. 

“O mais idiota dessa nota eh o tom meio ofendido no alarde de um detalhe dentro de uma palestra de duas horas.”

“E o pior eh que eu falei coisas imporatantes e,como sempre o reporter recorre ao mesmo mediocre chavao,” continuou o músico.

“A grande inadaptacao a minha conversa eh que ela nao admite flacidez da alma,coisa das mais corriqueiras,infelizmente”.

E completou: “Em outras palavras:nao aguento gente frouxa”.

Fechar X
Sem mais artigos