(Foto: divulgação) Hungria Hip Hop

Não é só de carrões, festas, cordões de ouro e agenda lotada de shows que vive Hungria Hip Hop. O rapper brasiliense coleciona números, sendo um dos poucos artistas brasileiros com mais de 1 bilhão de visualizações no Youtube. Um fenômeno da internet. Por exemplo: Beijo com Trap, seu clipe mais recente lançado no final de junho já possui mais de 12 milhões de views. E a contagem só cresce.

“A quantia desses números é porque tudo o que eu escrevo é verdadeiro. É sobre coisas que eu passo na vida, que vejo e observo”, diz Hungria em exclusiva ao Virgula. Sobre o clima ‘ostentação’ de suas músicas e principalmente dos clipes, ele explica: “Nem é questão de ostentação. É para mostrar que somos capazes de chegar onde a gente quiser, que podemos sair de um lugar pequeno e ir longe nesse mundo afora. Não é ostentação, é superação“.

Beijo, sexo, balada e pegação forte são temas que fazem parte do rap sensual de Hungria. No entanto, ele revela que se atenta para que suas letras não caiam na baixaria. “Eu particularmente tomo cuidado para não falar de putaria, pois crianças também fazem parte do meu público. Tenho certa cautela com isso”. E complementa: “Eu gosto de ver a minha música sendo tocada em casas de pais de família, de ver os pais escutando com os filhos”.

“Nos shows eu consigo perceber o aumento crescente de pais e filhos juntos. Isso é muito bacana de se ver. Então, procuro passar uma mensagem saudável”, diz ele ao telefone. “Sabe, não tenho nada contra [quem canta putaria], mas alguns músicos usam um palavreado muito forte. As crianças escutam aquilo e saem por aí repetindo as letras, muitas vezes sem nem saber o que estão cantando”.

(Foto: reprodução/ Facebook)

No clipe de Beijo com Trap, Hungria está muito bem acompanhado. E não estamos falando da atriz que contracena com ele em frames quentíssimos, das bailarinas sensuais, da Ferrari conversível que dirige pelas ruas de São Paulo ou do helicóptero que o transporta no início do vídeo. O luxo mesmo são as participações especiais de Mano Brown e Mr. Catra.

“O Catra sempre foi um amigo. Antes desse momento bom que estou vivendo ele me aconselhava, dizia para eu ter calma que as coisas iriam acontecer um dia. Já o Mano Brown é um cara que sempre admirei e sonhava em conhecê-lo. É um professor que fez muito pela bandeira do rap e do hip hop”, comenta.

Recentemente, Hungria foi indicado ao Prêmio Multishow e irá concorrer na categoria “Experimente” com Gloria Groove, MC Loma, Jonas Esticado e Atitude 67.

“Antigamente o rap não era indicado em quase nenhuma premiação de TV. Então, essa indicação ao Prêmio Multishow é um reconhecimento. Mostra que estamos conseguindo quebrar barreiras e que a nossa musicalidade também é forte”, finaliza feliz, sabendo que enquanto falava para a matéria seus views continuavam crescendo. E não param um segundo.

Sem mais artigos