Depois que o novo álbum do Oasis, “Heathen Chemistry”, começou a circular livremente pela internet, especialistas em anti-pirataria estão investigando como isso pode ter ocorrido.

De acordo com Jollyon Benn, responsável da Sony Music e da banda nas investigações, a pirataria pode ter começado de inúmeras formas. “Isso pode ter partido de qualquer um”, informou à New Musical Express, “da banda, dos empresários, de pessoas que trabalham no estúdio ou de alguém que conseguiu o disco com muita antecedência”.

Benn disse que a cópia ilegal do álbum virou uma bola de neve desde que o primeiro indício foi detectado, no dia 8 de abril: “Nós descobrimos a ponta do iceberg e, aos poucos, fomos perseguindo a rede. Havia mais ou menos uma dúzia de sites e eles já foram fechados. Só que, uma vez que a notícia é colocada em newsgroups, a coisa se espalha”. A dica que ele dá para as bandas e gravadoras é evitar, a todo custo, a prévia do álbum. Jornalistas com cópias adiantadas, por exemplo, são um perigo.

“Heathen Chemistry” ainda não tem data definida de lançamento, mas não deve chegar às lojas antes de julho.

Fechar X
Sem mais artigos