Roger diz que largou as drogas depois que teve Síndrome do Pânico

Roger sem papas na língua. Foi assim que o vocalista da banda Ultraje A Rigor se comportou ao ser entrevistado nesta quarta-feira pelo programa Pânico, da Rádio Jovem Pan. O músico falou, entre outros assuntos, sobre drogas e detonou bandas atuais de rock.

 

 

Segundo o próprio cantor, ele está “limpo” desde a década de 80. E o que o fez parar de consumir drogas foi algo que afeta milhões de brasileiros. “Parei [com o consumo de drogas] lá para 1983 porque tive Síndrome do Pânico. Começou a me fazer mal”, disse.

 

Roger ainda mencionou que as drogas de antigamente eram diferentes das usadas atualmente. “Era mais ácido, maconha. Alguns continuaram a usar [na banda]. Aí tinha show que cada um estava em uma viagem diferente. Então os shows começaram a ficar meio esquisitos”.

 

Para o cantor, as drogas atrapalharam bastante a banda, mas tudo foi superado. Já ao falar sobre os grupos de rock atuais, Roger também não mediu as palavras. “Hoje em dia é barato gravar. Qualquer um grava em casa. E muita gente tem a ilusão de que a coisa é mais marketing do que arte. A arte fica em segundo plano”, disse.

 

“Hoje é muito marketing. Tem muita regra e falta espontaneidade. Falta conhecimento, inclusive. Eles [bandas atuais] querem imitar o último que fez sucesso e isso não tem muita graça”, finalizou.

Fechar X
Sem mais artigos