man-smiling-woman

Essa história de “receita de bolo” para ser feliz nem sempre funciona. Onde já se viu inventar que só existe um caminho para fazer as coisas funcionarem do jeito certo? No amor, então, isso parece ainda mais confuso e fantasioso. Psicologicamente falando, porém, existe uma receitinha, sim. Dá para distinguir os bons relacionamentos dos maus, certo? E dá para aprender algumas coisas, também, com casais que, apesar das divergências e dificuldades do dia a dia, conseguem sustentar a relação com leveza e carinho.

Quem resolveu se aprofundar nessas questões do coração foi a especialista em relacionamentos Esther Perel, que já trabalhou com centenas de casais pelo mundo. Ao longo dessa jornada, ela pode reconhecer algumas características que são comuns (e bem sensatas) aos casais felizes, aqueles que têm uma parceria duradoura e mútua. Veja abaixo quais são elas:

1 – Eles continuam curiosos em relação ao outro

Saber alguns detalhes especiais sobre o seu amor é legal, mas tudo tem um limite. Quando a surpresa acaba, pode ser que o tédio tome as rédeas da relação. E isso, meus amigos, é fatal. “Esses casais continuam se esforçando para manter a curiosidade acesa em relação ao outro. Eles não querem saber absolutamente tudo. Eles não fingem que já sabem o que o outro vai dizer antes mesmo que ele abra a boca”, explica Esther.

2 – Eles realmente celebram a felicidade do outro

Sabe quando falamos “Eu estou feliz por você”? Bem, é exatamente isso que os casais de sucesso fazem, mas de coração, sem mesquinharia ou “inveja branca”. “Eles sabem realmente celebrar a vitória alheia, mesmo que não tenha nada a ver com eles. Isso demonstra generosidade, gentileza e realmente faz qualquer um sentir vontade de voltar para casa”.

3 – Eles mantêm vidas independentes

Ficar juntinho o tempo todo é delícia, é legal e também é um pouco perigoso. É muito fácil se perder na vida e nos interesses pessoais de outra pessoa, esquecendo de si próprio. Os casais que vão para frente têm isso em mente e respeitam muito a individualidade de cada um da relação. Isso não significa que o amor é pouco ou ruim, ok? “Essas pessoas têm um grande espaço para cultivar os próprios interesses, hobbies, amizades… Diferentemente daquelas pessoas que se alimentam umas das outras”, conclui Esther.

Aprendeu? Pode começar a colocar esses três hábitos em prática, então! Aproveita e dá uma olhadinha nesse plano de 30 dias para fazer dar aquela turbinada no seu amor:

Fechar X

 

Fechar X
Sem mais artigos