Teste mostrou que gulosos da madrugada têm dificuldade para lembrar de acontecimentos das últimas 24 horas

Vera’s Smirking Revenge / VisualHunt Teste mostrou que gulosos da madrugada têm dificuldade para lembrar de acontecimentos das últimas 24 horas

Se você é daquelas pessoas que têm dificuldade para lembrar o nome do lugar em esteve durante o dia, tarefas pendentes e se esforça para saber o cardápio que teve no almoço, melhor se ligar em alguns hábitos que afetam a memória recente. Assaltar a geladeira no meio da noite, por exemplo, é uma das coisas para cortar da lista. Uma pesquisa feita pela Universidade da Califórnia, em Los Angeles, descobriu que comer tarde da noite – além de aumentar o ganho de peso – atrapalha a capacidade de aprendizado e de absorção de novas informações.

Os resultados, publicados pelo site eLife, são baseados em uma análise das alterações no hipocampo, a principal sede da memória no cérebro. Os pesquisadores avaliaram durante duas semanas as habilidades cognitivas e comportamentais de pessoas com horários estritos para comer e de outras autorizadas a saborear alguma guloseima quando a vontade batia durante a noite. Foram feitos testes de memória sobre acontecimentos nas últimas 24 horas e os resultados apontaram falhas nos cérebros dos gulosos noturnos.

“Ao consumir comida em um horário em que se deveria estar dormindo, nós desajustamos os ‘relógios’ corporais e cerebrais”, explicou o líder da pesquisa Dawn Loh. A alimentação no horário errado altera a fisiologia do hipocampo, segundo ele. O desempenho de pessoas que trabalham no esquema de escala, por exemplo, é mais baixo do que o de funcionários com horário fixo, acrescentou o coautor da pesquisa Chris Colwell. “Então, se você precisar comer tarde da noite, opte por coisas mais leves, prefira uma barra de cereal a um pote de sorvete”, aconselhou Colwell.

Fechar X
Sem mais artigos