Imagine você namorando um gatinho, estilo Justin Bieber, Robert Pattinson, ou os irmãos Nick, Joe e Kevin – do Jonas Brothers – e deixando ele escapar por causa de uma crise boba de ciúmes? Negativo! Muitas vezes somos infernizadas por esse sentimento e não sabemos como lidar com a situação.

Durante a adolescência passamos por uma fase de aceitação e afirmação da personalidade. É normal nessa fase da vida rolarem muitas mudanças de humor e freqüentemente bater uma insegurança. O problema é quando essa insegurança fica muito acentuada  acaba refletindo na nossa auto-estima. Vários estudos já concluíram que jovens que possuem baixa auto-estima têm tendência a se sentirem inseguros, o que provoca o ciúme e às vezes um comportamento até agressivo.

De acordo com Daniela Pinotti Maluf, psicóloga clínica com especialidade em adolescentes, a insegurança é a matéria-prima do ciúme. “O ciúme é marcado pela dificuldade de se confiar em si mesmo e também no outro, o que faz com que o ciumento tente controlar tudo o que acontece na vida do namorado (a)”, ela diz. A psicóloga ainda alerta para a influência desse sentimento em outros setores da vida. Segundo ela, “o ciúme consome muita energia e para o ciumento poder atuar como tal ele tem que ficar pensando sobre isso o tempo todo, é como se em sua cabeça passasse constantemente um filme sobre tudo o que o companheiro está fazendo, de modo que ele possa acompanhar os seus passos”.

Quando estamos apaixonados, ficamos mais vulneráveis e sensíveis, características favoráveis para o surgimento do ciúme. Os nervos ficam à flor da pele e um problema pequeno vira uma tempestade. Uma espinha que surge no rosto já faz a gente achar que o namorado vai nos trocar por aquela garota Gisele Bünchen do colégio e se estamos com um quilinho a mais então, nem se fala! A insegurança vai crescendo e quando vemos, já estamos com ciúme da nossa irmã, da prima, da melhor amiga e se brincar até da nossa própria imagem no espelho.

Pegar leve vale a pena

É importante lembrar que nem todo ciúme é ruim, um pouco dele é inclusive super normal. Você já deve ter escutado a expressão “ciúme saudável”, pois bem, aqui vamos chamar de ciúmes clean. Tudo aquilo que soa mais natural, tranqüilo, equilibrado e tem um charme especial é tido como clean e assim é o ciúme saudável. Ele tem a dose certa, nunca é exagerado, muitas vezes prova que gostamos de verdade da pessoa e até esquenta um pouco a relação que estava meio água com açúcar. Para Daniela Pinotti, ele é aquele que zela pela relação, que cuida do outro.

Mas como identificar se o seu ciúme deixou de ser clean e se tornou alguma coisa mais séria?

O ciúme doentio geralmente afeta as pessoas mais inseguras, que se sentem ameaçadas por qualquer um e piram só de pensar em perder o namorado/namorada. Ligar desesperadamente mil vezes ao dia, vasculhar as coisas dele tentando encontrar algum vestígio de outra garota, achar que todas as outras garotas são melhores que você são indícios que a coisa está ficando séria demais e que de clean ele não tem nada.

Se você se viu em algumas dessas situações ou se seu namorado está nessa, fique atenta!

E, como resolver essa situação, então?

Daniela fala que por mais estranho que pareça, nós nos habituamos com os sentimentos, e com o ciúme não é diferente. Ela sugere que o ciumento/ciumenta, retome as atividades que realizava antes de começar a relação, como encontrar-se com amigos, etc. para que o seu mundo não seja apenas você e seu namorado(a).

Então, toda vez que se sentir ameaçada por outra, olhe para o espelho e repita o quanto é linda! Se ame, em primeiro lugar, pois quem acredita em si mesma consegue levar a vida de uma maneira muito mais clean!

 

Clique aqui e leia o regulamento.

Fechar X
Sem mais artigos