Efeitos colaterais podem levar a doenças de Alzheimer e Parkinson

Glennshootspeople / Visual Hunt Efeitos colaterais podem levar a doenças de Alzheimer e Parkinson

Quem gosta de estar em um cenário de violência? Além da falta de segurança, um estudo norte-americano levanta mais um ponto para se preocupar: as consequências permanentes no cérebro causadas pela exposição a explosões de bombas. Segundo a pesquisa, o filtro que protege o cérebro de toxinas é danificado, o que afeta o funcionamento do cerebelo, parte responsável pela coordenação motora e controle de emoções. Quanto maior a exposição a explosões, menor a atividade na região do cérebro. A informação foi divulgada pela Fox News.

Para chegar à conclusão, cientistas reuniram 41 veteranos de guerra dos Estados Unidos, que estiveram em campo no Iraque e Afeganistão. Exames mostraram que quanto maior o número de explosões a que eles haviam presenciado, menor era atividade do cerebelo. A degeneração é cumulativa e quando grave provoca sintomas como irritabilidade, alterações de humor e impulsividade.  “O cérebro é um órgão especial que requer proteção e tudo o afeta via corrente sanguínea”, explicou o coautor do estudo, David Cook.

Os casos usados na pesquisa são extremos, no entanto, os efeitos colaterais podem surgir em condições menos traumáticas. Maiken Nedergaard, neurologista da Universidade de Rochester em Nova York, afirmou que presenciar “explosões torna o cerebelo mais sensível”. As consequências em longo prazo, segundo os pesquisadores, incluem transtornos neurológicos como a doença de Alzheimer e de Parkinson.

Fechar X
Sem mais artigos