Os pais de James Bulger foram a público lamentar a indicação do curta irlandês ‘Detainment’ ao Oscar. Denise Fergus se disse “enojada e triste” com a posição da premiação.

O filme, escrito e dirigido por Vincent Lambe, se baseia nos depoimentos para a polícia de Robert Thompson e Jon Venables para contar como eles, aos 10 anos, sequestraram, torturaram e mataram James Bulger, de 2 anos, em 1993.

Em dezembro, quando o nome do curta apareceu como um dos favoritos à indicação, Denise mostrou sua indignação e fez uma petição online. O pedido para que o filme não fosse indicado recolheu 98 mil assinaturas, segundo o site The Guardian.

“Não consigo dizer o quanto estou enojada e triste a isto que chamam de filme ter sido indicado ao Oscar. Uma coisa é ter feito o filme sem pedir a autorização da família de James, mas outra é ter uma criança encenando suas horas finais antes dele ser brutalmente assassinado e fazer eu e minha família revivermos isso mais uma vez”, escreveu Denise no Twitter.

“Hollywood devia ter vergonha. Existem algumas coisas que passam dos limites e o assassinato de um bebê é uma delas. Aqueles meninos agora são homens e um deles está novamente preso por abuso infantil. Eles merecem ser lembrados em um Oscar?”, questionou Ralph Bulger, pai de James, ao site Daily Mirror.

A família acusa o filme de tratar os dois meninos condenados com um olhar muito humano. Lambe, diretor do curta, falou várias vezes sobre o assunto à imprensa internacional. Ao programa de TV Good Morning Britain, ele disse: “O filme não quer trazer ainda mais agonia à esta família, nem foi feito para trazer lucro. De forma alguma nós simpatizamos com os assassinos. Estamos sendo criticados por humanizá-los. Mas, na verdade, se não pudermos aceitar que eles são seres humanos, nunca vamos conseguir começar a entender o que os levaram a cometer este crime horrível. A única forma de prevenir estes comportamentos é entendê-los”.

James Bulger foi raptado pelos dois garotos enquanto estava em um shopping com sua mãe. O corpo do menino de dois anos foi encontrado com sinais de tortura dias depois próximo do trilho do trem em Liverpool, na Inglaterra. Os meninos ficaram presos por oito anos, sendo os mais jovens encarcerados da história moderna da Inglaterra. Eles foram liberados em 2001 e ganharam novas identidades. Um deles voltou a ser preso outras duas vezes por atentado ao pudor e consumo de pornografia infantil.

 

Fechar X
Sem mais artigos