Arnon Milchan, um conhecido produtor de Hollywood responsável por filmes como Uma Linda Mulher e Clube da Luta, foi um espião para Israel em apoio ao seu programa nuclear, segundo declarações divulgadas nesta terça-feira no site da revista Variety.

Milchan, de 68 anos, confirmou no programa de TV Uvda, muito popular em Israel, que realizou dezenas de missões clandestinas após ser recrutado por Shimon Peres, o atual presidente de Israel.

“Eu o fiz pelo meu país e tenho orgulho disso”, afirmou Milchan, que especificou que, quando era proprietário de uma bem-sucedida companhia de adubos, foi contratado pelo Departamento de Relações Científicas de Israel, uma organização secreta fundada por Peres para dar suporte ao programa nuclear do país.

A entidade foi dissolvida em 1987 após um escândalo de espionagem em que um analista da Marinha americana foi condenado à prisão perpétua.

Uma de suas missões era obter informação científica e técnica para programas de defesa confidenciais.

Conforme disse no programa, Milchan supostamente chegou a operar 30 companhias em 17 países para Israel enquanto negociava acordos no valor de centenas de milhões de dólares e suas atividades continuaram após se tornar um poderoso produtor de Hollywood, onde chegou a ser presidente da companhia New Regency.

Em sua carreira cinematográfica conta com sucessos como Sr. & Sra. Smith, Los Angeles: Cidade Proibida, Fogo Contra Fogo, JFK: A Pergunta que Não Quer Calar e Free Willy, além de ter trabalhado com cineastas como Martin Scorsese e Roman Polanski.

Durante a entrevista ao “Uvda”, garantiu que o diretor Sydney Pollack, morto em 2008, o ajudou a encobrir aquisições de equipamento militar.

“Você sabe o que é ser um jovem de 20 e poucos anos e o seu país lhe permite ser James Bond? Uau! A ação! Aquilo foi excitante”, afirmou Milchan na entrevista.

Fechar X
Sem mais artigos