O diretor de cinema espanhol Pedro Almodóvar declarou que o primeiro-ministro da Itália, Silvio Berlusconi, “é um homófobo obsessivo por mulheres que se orgulha de não ser homossexual”, em entrevista publicada nesta sexta-feira pela revista “L’Espresso”.

Almodóvar, que esteve em Roma na última quarta-feira, viajou a Itália com os atores Antonio Banderas e Elena Anaya para apresentar seu último filme, “A Pele Que Habito”. Na ocasião, o cineasta ainda afirmou que Berlusconi é uma “figura muito interessante” do ponto de vista da imagem.

“Na Espanha, os retoques das maçãs do rosto para gerar uma imagem melhor na televisão não estão mais na moda. Lá, os parlamentares tratam de transmitir, embora seja de forma hipócrita, uma imagem de estar perto do povo”, explicou.

Após a insistência do entrevistador para obter a opinião de Almodóvar sobre Berlusconi, o cineasta replicou: “sobre vosso presidente de Governo tenho muito mais perguntas que respostas”.

Para o ganhador do Oscar por “Tudo sobre minha mãe” (1999), “classificar Berlusconi é complicado”, já que “as notícias sobre ele se referem mais ao sexo que à política”.

Nesse sentido, Almodóvar disse que ele gostaria de perguntar aos italianos sua opinião sobre “o desconcerto e o escândalo que o nome de Berlusconi provoca em todas as partes”.

Sobre a atual fase de sua vida, Almodóvar declarou que passa a maior parte do tempo “fechado entre quatro paredes”, já que deixou para trás os anos “do amanhecer da nova democracia espanhola”.

Esse tempo era “muito mais estimulante que o atual, quando andava dando voltas com uma turma de 50 pessoas. Era maravilhoso ser jovem, viver a noite e exagerar”, relembrou o cineasta. 

Sem mais artigos