A campanha de fim de ano da marca GAP foi alvo de comentários racistas no metrô de Nova York. Isso porque o anúncio traz o designer de joias e ator Waris Ahluwalia, que não é muçulmano e sim Sikh (uma religião da região do Punjab, na Ásia), e a modelo Quentin Jones como garotos-propaganda.

Na campanha, os dizeres “make love” (em tradução livre, faça amor) foram pichados e substituídos por “make bombs” (faça bombas). Além disso, também foi escrito no cartaz: “Stop driving taxis” (parem de dirigir táxis).

Em pouco tempo essa história e a imagem do cartaz rabiscado se tornou um viral na internet e a GAP comentou o caso. Eles descobriram a localização da campanha pichada, trocaram o cartaz e ainda publicaram a foto como fundo no Twitter para reforçar sua posição.

Alguns seguidores da grife elogiaram a atitude deles.”Vocês não fizeram (o bem) apenas pela comunidade Sikh, mas para todo o mundo. Essa é uma ótima maneira de reduzir o ódio e a ignorância”, disse um seguidor da página.

Sem mais artigos