Orson Scott Card, autor do best-seller de 1985 O Jogo do Exterminador, escreveu um ensaio de ficção científica no qual compara o presidente norte-americano Barack Obama aos ditadores Adolf Hitler e Stalin. Orson é conhecido por adaptar O Segredo do Abismo para o cinema ao lado de James Cameron. 

No artigo, o escritor imagina que Obama e a primeira-dama, Michelle Obama, derrubam a democracia no país, perseguem inimigos e aprovam uma emenda constitucional que permite a reeleição infinita. Ao final do texto, Orson diz que o mesmo é um “experimento de pensamento ficional” e que “nada disso jamais vai acontecer”.

A polêmica chega às vésperas do lançamento da adaptação para o cinema do livro O Jogo do Exterminador. Dirigido por Gavin Hood e estrelado por Hailee Steinfeld e Harrison Ford, o filme tem orçamento de US$ 110 milhões e estreia no Brasil em 13 de dezembro. O livro deu a Orson os prêmios Hugo e Nebula. 

Não é a primeira vez que Orson Scott se envolve em assuntos polêmicos. Em 2012, ele declarou em um artigo que a homossexualidade é uma “disfunção reprodutiva” e fruto de uma escolha – o que vai contra a definição da OMS, a Organização Mundial da Saúde. À época, a declaração causou revolta em entidades de proteção aos direitos humanos e de apoio ao movimento LGBT e causou preocupação na DC Comics, responsável pela adaptação de sua obra para o cinema. O autor já morou no Brasil por dois anos, quando foi missionário da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias.

Sem mais artigos