O Baby Yoda ganhou a internet com sua fofura desde que foi revelado na série original da Disney+ “The Mandalorian”. E parece que ele tem uma versão canina no mundo real.

Quando Nikki Carvey publicou a primeira foto do filhote Mork no Instagram, não demorou muito para os internautas apontarem uma semelhança com o personagem, chamado oficialmente na produção de “A Criança”.

O cachorro, que agora é uma estrela em ascensão na rede social, poderia ter tido um destino bem diferente. Ele foi resgatado na China pela ONG Slaughterhouse Survivors, que retira cachorros do mercado de carne, e trazido aos Estados Unidos por Carvey, dona da organização de proteção animal Road Dogs & Rescue, focada em atender apenas buldogues.

Comer carne de cachorro faz parte da tradição culinária de alguns países asiáticos, mas não é um costume comum. Na China, por exemplo, apenas algumas áreas das regiões sul e nordeste consomem este alimento, segunda o jornal El Pais.

 

Ver essa foto no Instagram

 

Style icon ⭐️ He needs a new wardrobe! Any stylists out there 😂❤️ He is NOT available for adoption. #chubbychibbychops #meltingpugcandle

Uma publicação compartilhada por Mork (@morkskywalker) em

“Apesar desses cachorros não serem criados para o abate, na China não há a mesma indústria de adoção de cães adultos [que nos Estados Unidos], então há ‘fábricas’ de filhotes ou comércios que mantêm os animais em condições horríveis. Se eles não são vendidos, acabam sendo comercializados como carne”, afirmou Carvey em entrevista ao Huffington Post Austrália.

“[A Slaughterhouse Survivors] salva todas as raças de cães e nós nos focamos em trazer os buldogues. Quando me mandaram uma foto do Mork, eu disse: ‘amei este cachorro. Vou adotá-lo'”, explicou. Ele chegou bastante magro e com problemas sérios no intestino.

Mas a ativista não sabe ao certo a raça do filhote. Ela afirmou ao veículo que planeja fazer um teste de DNA por curiosidade, no entanto, tem medo que as pessoas tentem replicar as características do animal por meio de cruzamentos. “Não quero que reproduzam a raça dele. Ele possui muitos problemas congênitos… A última coisa que quero são pessoas recriando o Mork só porque ele é ‘fofo'”, advertiu.

Sem mais artigos