Seis casais gays da Flórida participam nesta quarta-feira (2) de uma audiência em Miami para defender o direito ao casamento homossexual, proibido há seis anos no estado.

A organização Equility Flórida, defensora dos direitos homossexuais, afirma que proibir o casamento entre casais do mesmo sexo viola a Constituição dos Estados Unidos porque nega os direitos ao devido processo e igual proteção.

Mas a procuradora-geral, Pam Bondi, defendeu recentemente que a união entre homossexuais significaria “um significativo prejuízo público”, e lembrou que a lei atual foi votada pelos cidadãos da Flórida e promulgada em 2008.

Em junho de 2013 a Suprema Corte deu um passo decisivo a favor do casamento gay ao declarar inconstitucional a Lei de Defesa do Casamento (DOMA), que definia o casamento como “a união entre um homem e uma mulher” e impedia, portanto, que os homossexuais casados nos estados onde a união civil é legal tivessem reconhecimento e benefícios fiscais em nível federal.

Atualmente, 17 estados e o distrito de Columbia já legalizaram o casamento gay (Califórnia, Connecticut, Delaware, Havaí, Illinois, Iowa, Maine, Maryland, Massachusetts, Minnesota, New Hampshire, Nova Jersey, Novo México, Nova York, Rhode Island, Vermont e Washington).

O Arkansas também começou a conceder licenças de casamento para homossexuais, embora a decisão judicial que tenha autorizado a união enfrente um recurso, e nos estados de Utah e Kentucky os tribunais anularam as proibições ao casamento gay.

Uma corte de apelações de Cincinnati deve analisar em 6 de agosto apelações semelhantes nos estados de Ohio, Michigan e Tennessee em uma só sessão.

Sem mais artigos