Pedro Paulo Pontes Pinho, delegado da 9ª DP, que fica no bairro do Catete no Rio de Janeiro, resolveu usar o Twitter para desabafar contra mulheres que atuam sob seu comando. No entanto, o tiro saiu pela culatra e ele acabou prejudicado por conta das publicações.

Uma das polêmicas mensagem postadas no perfil @Delegado_Pinho” foi “tenho 14 mulheres no meu efetivo, mas apenas uma, uma apenas, reúne talento, coragem e disposição pra encarar a atividade policial”. Em seguida, o delegado diz “e essa uma, entre 14, jovem ainda, não tem nenhum homem que a supere. A mulher quando é boa no que faz ninguém supera, mas o contrário…”.

Ele continuou as mensagens e chegou a citar uma funcionária que havia faltado ao expediente, porém estava publicando nas redes sociais:

“Uma delas, inclusive, faltou ao serviço hoje e enviou um ‘atestado’, porém está por aí, na internet…”. 

A delegada Martha Rocha, chefe da Polícia Civil o destituiu da função. Em nota, a Polícia Civil informou que Martha Rocha considerou que o delegado “tem dificuldades em gerir os recursos humanos que lhes são disponíveis”. A delegada também determinou que a Corregedoria Interna de Polícia Civil (Coinpol) examine os posts do delegado em seu Twitter durante seu horário de trabalho.

Depois de saber da exoneração, o delegado Pinho demonstrou sua indignação em mais mensagens no Twitter: “27 anos de profissão, servindo à sociedade com honradez, e sou ‘derrubado’ p/ uma policial que falta ao serviço p/ ficar ‘gazeteando’ no TT”. Muitas pessoas manifestaram apoio ao delegado na rede social.

Sem mais artigos