Enquanto a seleção brasileira suava a camisa durante a partida contra o Chile neste sábado (28), gringos e brasileiros reunidos num evento promovido pela Skol no Sampa Hostel, no bairro paulistano da Vila Madalena, compartilhavam histórias e experiências inusitadas vividas durante a Copa no país do futebol.

O americano Loki da Trixta, que tem família no Chile (inclusive corajosamente vestia uma camisa vermelha chilena), revelou que, apesar de torcer contra o Brasil, fez até uma música para o craque Neymar. Um tanto quanto confuso? Ele explica. 

“Eu estou torcendo pelo Chile porque metade da minha família é de lá. Mas me encantei tanto com o povo brasileiro e com o amor que eles têm pela Seleção, em especial pelo Neymar, que comecei a admirá-lo da mesma maneira e com a mesma paixão que um brasileiro. Tanta admiração se transformou numa música que fiz, o Hino do Neymar, como forma de homenagem também a todos que me acolheram por aqui durante a Copa da melhor maneira possível.”, contou o músico.

 

Já o francês Mathieu Vergez, que vestia a camisa do Brasil, teve vários minutinhos de fama por aqui. “Eu apareci em três emissoras diferentes. Como eu falo um pouco de português sempre era escolhido para falar sobre a Copa. Meus amigos da França me viram e mandaram mensagem dizendo que eu estava mais famoso que o Felipão no Brasil.” disse. 

Ryann Nichole McChesney, a simpática garota de Seattle, passou por um sufoco ao se perder, mas encontrou um cobrador de ônibus que salvou seu dia. “Um dia me arrisquei a pegar ônibus e dar uma volta pela cidade de São Paulo. O problema é que eu me perdi e não sabia mais voltar para o meu hostel. Mesmo com o mapa na mão e a ajuda de muita gente na rua, ninguém falava inglês, até que peguei um ônibus e o cobrador sabia conversar fluentemente.”, disse aliviada.    

      

Veja na galeria acima mais histórias inusitadas desses gringos figuras! 

Dá uma olhada também na galera que marcou presença no evento promovido pela Skol no Sampa Hostel, na Vila Madalena. 

Sem mais artigos