Joaquim Maria Machado de Assis foi um romancista, contista, poeta e teatrólogo é importante nome da literatura brasileira. Afro-descendente, filho de um mulato pintor de paredes e uma lavadeira portuguesa, Machado é considerado um dos criadores da crônica em nosso país. Foi ele também o primeiro presidente da Academia Brasileira de Letras, instituição da qual foi um dos fundadores.

Teve infância de saúde frágil. Sofria de epilepsia e era gago. Sem acesso à educação formal, aprendeu francês em aulas com a proprietária de uma padaria. Seria Machado o tradutor da importante obra Os Trabalhadores do Mar, de Victor Hugo. Aprendeu também, como autodidata, inglês e alemão.

Machado de Assis começou trabalhando como aprendiz de tipógrafo na Imprensa Oficial. Aos 15 anos, estreou na literatura com a publicação do poema “Ela”, na revista Marmota Fluminense.

Colaborador constante de jornais da época, escrevia como cronista, contista, poeta e crítico literário. Seu primeiro livro foi lançado em 1864, reunindo poemas sob o título de Crisálidas. Escreveu, na chamada primeira fase de sua carreira, uma série de obras de caráter romântico, como Ressurreição, 1872, Helena, 1876, e Iaiá Garcia, de 1878.

Em 1881, iniciou uma fase dedicada ao realismo, com o lançamento de Memórias Póstumas de Brás Cubas, história inusitadamente narrada por um defunto. Desta fase, pertencem as obras Quincas Borba, 1892, Dom Casmurro, 1900, Esaú e Jacó, 1904, e Memorial de Aires,1908, entre outras. Em 1989, o escritor Mario Chamie rebateu afirmativa referente à obra de Machado, abordando o uso da expressão “quase ministro”, no livro Quincas Borba.

Machado de Assis morreu em 29 de setembro de 1908, em sua casa, no bairro carioca do Cosme Velho.

Sem mais artigos