Crédito: Pexels

Crédito: Pexels

Nós precisamos falar sobre a masculinidade tóxica, uma pressão que a sociedade põe nos homens para que sejam “machos”. Isso inclui ser fisicamente forte, sexualmente agressivo e não demonstrar emoções.

A masculinidade tóxica tem como característica principal que só existe uma maneira de ser homem e pune aqueles que não demonstram ser desse jeito.

E, francamente, ninguém pode estar ok com isso. De acordo com um novo estudo, divulgado pelo site Hello Giggles, atitudes sexistas juntas com a masculinidade excessiva são realmente muito ruins para os homens e sua saúde.

A pesquisa, conduzida pela Universidade Bloomington, de Indiana (EUA) e publicada pela American Psychological Association, afirma que homens com o “comportamento de playboy” – ser dominante, gostar do perigo, ser violento, além de tentar ter poder sobre as mulheres – , na realidade, são mais propensos a ter depressão e outros problemas mentais. E isso é só mais uma prova do quanto nós precisamos discutir sobre sexismo.

Aliás, a coisa fica um pouco pior. Segundo o estudo, homens são pressionados a pensar que não podem expressar sentimentos ou procurar ajuda. Isso significa que a maioria dos homens são afetados por esse problema nunca vão receber o tratamento necessário.

Os pesquisadores analisaram o comportamento de mais de 19 mil homens e até que ponto eles se conformavam com noções tradicionais de masculinidade, incluindo desejo de ganhar, necessidade de controle emocional e desprezo pela homossexualidade.

“Em geral, indivíduos que se conformavam completamente com as normas masculinas tenderam a ter uma saúde mental mais pobre e atitudes menos favoráveis ​​em relação à busca de ajuda psicológica”, disse Joel Wong, autor principal do estudo. “O comportamento ‘playboy’ e o poder sobre as mulheres são as normas mais associadas às atitudes sexistas”, completou.

Ou seja, o sexismo não é bom para ninguém e machuca a todos nós.

 

Sem mais artigos