O americano Joseph Miller era um jovem comum de 25 anos, que vivia em Los Angeles e adorava pintar e escrever poesia. Tudo mudou quando, em outubro de 2014, ele sofreu um grave AVC após voltar da faculdade. Depois de três dias desacordado no chão, o colega de quarto do estudante o encontrou e levou diretamente para o hospital, onde ele ficou 17 dias em coma.

“Demorou um mês para que eu pudesse pronunciar palavras básicas e comunicar minhas necessidades”, contou ao ABC News.

Quando acordou, veio o maior susto: o estudante perdeu cerca de 95% da memória. Para tentar solucionar o problema, Miller decidiu recorrer ao Instagram.

“Quando vi o aplicativo, eu lembrei, ‘ah, eu tenho um Instagram’. Demorou um pouco para que eu entrasse, porque esqueci a senha. Mas quando consegui recuperá-la, foi tipo ‘wow!'”, afirmou.

Para o dr. Steven Cramer, neurologista da Universidade da Califórnia, ver fotos antigas ajuda a exercitar o cérebro, principalmente depois de um acidente vascular cerebral, quando o órgão funciona como uma criança sedenta por aprender.

Agora, com parte da memória recuperada, Miller sempre brinca que quando os amigos lhe diziam para parar de postar tanto no Instagram, ele no fundo sabia que todas aquelas imagens seriam úteis. E como foram!

“É fascinante como o Instagram tem desempenhado um grande papel na minha recuperação. Através dele, lembrei que trabalhava com contabilidade, gostava de escalar e adorava conhecer pessoas estranhas”, explicou o jovem.

Sem mais artigos