Kesha concedeu uma entrevista bastante reveladora à edição de janeiro da revista “Seventeen”. À publicação a cantora admitiu ser bissexual: 

“Eu não amo apenas homens. Amo pessoas. Não se trata do gênero. Tudo se resume a energia que a outra pessoa emite quando está com você.” 

Ela também levantou bandeira à favor da comunidade gay, contra a prática do bullying e contra toda forma de preconceito: 

“Eu apoio a luta contra o bullying sofrido por gays, lésbicas e transexuais. A contra todo tipo de bullying. Meu irmão de 13 anos tem uma gagueira e os outros tiram sarro dele por conta disso. Eu não tenho tolerância com que se diverte às custas dos outros”, declarou a cantora.

Kesha ainda declarou já ter sofrido com o bullying e que usou o fato à seu favor para se tornar famosa: “Eu usei os comentários negativos para me motivar. Eu me lembro de cada pessoa que me disse que eu não podia fazer alguma coisa, ou que eu era feia ou muito gorda. Também acho que você não se pode levar muito a sério. Quanto mais cedo você rir de si mesmo, sua vida será mais fácil”.

Ela continuou: “Mesmo depois de eu ter superado essa fase, conseguindo me soltar e entender como eu deveria me vestir, as pessoas da indústria fonográfica diziam ‘Você jamais vai conseguir’. Eu as vejo agora e apenas falo ‘Ha!’. Esta é uma das razões para que eu colocasse o nome do meu disco de Warrior [Guerreira]. Você pode ser uma vítima e deixar que comam a sua alma ou você pode reagir e provar que todos estão errados”, disse.

Sem mais artigos