A atriz francesa Marion Cotillard se encarcerou nesta sexta-feira (15), em Paris, em uma falsa prisão em defesa dos 30 tripulantes do navio quebra-gelo “Arctic Sunrise” do Greenpeace que foram detidos em 19 de setembro por protestar no Ártico russo.

Dentro de uma cela e junto de outros militantes no Palais Royal da capital francesa, a intérprete de “Piaf – Um Hino ao Amor”, “Batman – O Cavaleiro das Trevas Ressurge” ou de “Meia-noite em Paris” viu acompanhada seu protesto de um cartaz no qual se podia ler “sou defensora do clima”.

“Há gente que tem coragem de defender nosso planeta. Diante desta coragem, as possíveis sanções são absolutamente absurdas e delirantes. Deveríamos, mais bem, agradecê-los”, defendeu a atriz.

A embarcação na qual se encontravam os detidos foi abordada por equipes russas de segurança enquanto navegava por águas internacionais em protesto contra a perfuração petrolífera no Pólo Norte.

Desde então, seus tripulantes – 28 membros, incluindo uma brasileira, e dois jornalistas -permanecem presos acusados de pirataria e vandalismo, que na Rússia são passíveis de penas de 15 e 7 anos, respectivamente.

A medida cautelar contra todos eles expira em 24 de novembro, mas segundo informou hoje o Greenpeace, o Comitê de Instrução da Rússia solicitou na sexta-feira prolongar por três meses a custódia, pedido que será estudado semana que vem por tribunais de São Petersburgo.

Não é a primeira vez que Cotillard se envolve com o Greenpeace. Em julho de 2010 a atriz acompanhou um grupo da organização à República Democrática do Congo durante uma semana para denunciar o desmatamento das florestas tropicais.

Marion Cotillard se "prende" em cela em defesa de ativistas do Greenpeace

Sem mais artigos