Miley Cyrus lançou nesta terça-feira (2) o clipe de ‘Mother’s Daughter’, um grito à liberdade feminina e ao empoderamento. O vídeo contou com a participação de diversas personalidades, como a própria mãe da cantora Tish Cyrus, Mela Murder, Angelina Duplisea e uma modelo que está rompendo barreiras na indústria da moda: Aaron Philip.

Ela é a primeiro modelo negra, trans e com paralisia cerebral a assinar com uma grande agência, a Elite Model Management, que já representou Naomi Campbell e  Tyra Banks . Detalhe: tudo isso com apenas 18 anos.

Philip trabalhou como freelancer por um ano, enquanto tentava equilibrar a carreira com o escola, e conseguiu trabalhos com grandes marcas como ASOS e H&M. Contudo, agora ela tem mais fôlego para navegar nesta indústria, já que pode contar com a poderosa agência para abrir caminhos e atender às necessidades de uma usuária de cadeira de rodas.

“Às vezes eu mesma tinha que coordenar os ensaios fotográficos e as pessoas ao meu redor, encontrar gente que pudesse me ajudar no set. Era bem cansativo”, conta em conversa à CNN. “Tem sido uma diferença drástica”, completa.

Nativa da Antígua, ilha no Mar do Caribe, Philip acredita que atualmente, o maior alvo de discriminação da moda são pessoas com deficiência, visto que a visibilidade trans tem crescido aos poucos e ganhou espaço nas semanas de moda.

Em 2018, sua estreia na Semana de Moda de Nova York sofreu um revés. A modelo contou à Teen Vogue que as conversas precisaram ser canceladas, pois “eles não conseguiriam me colocar nas passarelas nessa temporada porque elas não possuem acessibilidade para cadeirantes”.

Mas sem desânimo! À CNN, ela afirma: “a indústria da moda conheceu apenas um tipo de corpo e um tipo de figura comercializável por tanto tempo. Mas agora nós estamos chegando. Nesse clima, todos os tipos de corpos querem ser impulsionados e celebrados – não apenas isso, mas querem ser vistos como desejáveis e comercializáveis”.

Ao seu ver, diversidade ajuda a todos. “Sei que são apenas negócios. Mas ao mesmo tempo, é possível tornar negócios inclusivos e vendáveis para todos”. E completa: “a acessibilidade beneficia todo mundo. Não vai causar prejuízo algum para ninguém ou para o negócio. Literalmente só irá melhorar em todos os aspectos”.

A modelo, que ganhou fama no Twitter, possui mais de 33 mil seguidores por lá, 94 mil no Instagram e entrou na lista dos “21 jovens abaixo dos 21 anos” da revista Teen Vogue.

Sem mais artigos