A maioria dos municípios holandeses não aplica a lei que proíbe a venda de “drogas brandas” aos turistas estrangeiros nos chamados “coffee shops”, revela um estudo publicado nesta quarta-feira (19) no site do jornal Dutchnews.

Embora muitas autoridades locais tenham incorporado o veto em suas legislações locais, elas não estão fazendo nada para colocá-la em prática, conclui o estudo elaborado pela professora Nicole Maalsté, da universidade holandesa de Tilburg.


A legislação holandesa, desde 2012, permite que os municípios proíbam a venda de “drogas brandas” aos turistas estrangeiros nos “coffee shops”.

Das 103 prefeituras existentes no país, 23 aderiram essa medida, principalmente no sul do país. No entanto, a maioria das autoridades municipais não põe essa lei em prática, ou pela presença de poucos estrangeiros ou porque a venda de maconha aos turistas não estava causando problemas.


Após a aprovação dessa lei, os donos dos “coffee shops” chegaram a alertar sobre o prejuízo que a mesma poderia provocar em seus negócios e, inclusive, na economia local.

Nesta semana, os deputados holandeses devem debater uma política oficial em relação aos “coffee shops” e analisar os pedidos de algumas prefeituras que desejam iniciar a produção legal de maconha.

Sem mais artigos